Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

maurício stycer

 

20/04/2013 - 23h45

"Globo Repórter", 40 anos

DE SÃO PAULO

Integrante do "Globo Repórter" em seus primórdios, o cineasta Walter Lima Júnior assim define a experiência: "Nós não fomos fazer cinema novo na televisão. Mas, provavelmente, a gente foi fazer uma televisão nova".

No momento em que o programa comemora 40 anos, recorro ao livro "Depois da Revolução, a Televisão" (Pedro e João Editores, 264 págs., R$ 59), no qual Igor Sacramento analisa o percurso de cineastas de esquerda no jornalismo da Globo nos anos 1970.

Nascida em 1965, a emissora em poucos anos conquistou a liderança com atrações de forte apelo popular, comandadas por Dercy Gonçalves, Chacrinha, Silvio Santos, Jacinto Figueira Jr. e Raul Longras, para não falar das novelas de Glória Magadan.

A pressão por "qualidade" vem não apenas da crítica dos principais jornais, mas também do governo militar, o que acelera o ritmo das mudanças. Em poucos anos, entre o fim da década de 1960 e o início dos 1970, a Globo se livra do seu pacote "popularesco" e aposta em um novo padrão.

O investimento no jornalismo é parte essencial dessa renovação. Vários programas novos surgem no período, entre os quais o "Globo Repórter", destinado a produzir "documentários brasileiros sobre o Brasil".

O programa, cuja primeira edição foi ao ar em 3 de abril de 1973, escreve Sacramento, "se desenvolvia mostrando uma preferência por abordar temas sociais, como a miséria, a desigualdade social e a luta por terra, que eram ignorados ou pouco tratados em outros programas jornalísticos".

Além de Walter Lima Jr., Eduardo Coutinho, João Batista de Andrade, Maurice Capovilla e Hermano Penna assinam documentários. Embora não fossem maioria na equipe, eles emprestam prestígio ao programa --um bem valioso para a emissora naquele momento.

No início da década de 1980, sofrendo com a audiência em queda, a atração deixa de ir ao ar por alguns períodos e passa por reformulação importante. Coincidentemente, anota Sacramento, Chacrinha volta à Globo em 1982. Em lugar do modelo de documentário (sem repórter), o "Globo Repórter" aposta na grande reportagem com jornalistas do primeiro time aparecendo diante das câmeras.

Diferentes repórteres passam pelo programa, produzindo trabalhos de fôlego e alta qualidade, até meados dos anos 1990, quando nova reforma começa a dar a cara que o programa tem hoje. "Com o aumento significativo da audiência do público das classes C e D no final de 1996, o desafio passou a ser tratar de assuntos com apelo mais abrangente", informa o site do programa. Temas como saúde, qualidade de vida, ecologia, turismo passam a dominar.

A reportagem que comemorou os 40 anos, exibida na primeira semana de abril, é exemplar: um programa muito bem produzido, mas panorâmico e superficial, sobre o Vietnã.

A certa altura, num cais, Glória Maria escorrega e cai. "Caí bonito. Não chegou a machucar, mas a roupa já era. E agora? Tenho que continuar trabalhando assim... Para mim, não tem nenhum problema. Vamos lá."

A cena poderia ter sido cortada pela edição. Por que não foi? Como os demais apresentadores dos telejornais da Globo, Glória Maria é gente como a gente. Eis a mensagem que parece importante transmitir nos dias de hoje.

maurício stycer

Maurício Stycer é jornalista, repórter e crítico do portal UOL, autor de 'História do Lance!' (Alameda Editora). Escreve aos domingos.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Cegueira Moral

Cegueira Moral

Zygmunt Bauman

Comprar
Mandela

Mandela

Christo Brand, Barbara Jones

Comprar
Pavões Misteriosos

Pavões Misteriosos

André Barcinski

Comprar
As Mulheres Do Nazismo

As Mulheres Do Nazismo

Wendy Lower

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página