Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/10/2003 - 17h50

Entenda o caso do "propinoduto"

Publicidade

da Folha Online

Agosto (2002)

Procuradoria da Suíça abre investigação sobre depósitos suspeitos de US$ 33,4 milhões feitos no DBTC (Discount Bank and Trust Company, hoje Union Bancaire Privée) por quatro auditores federais e quatro fiscais de renda do Rio

Outubro (2002)

Relatório da investigação suíça é entregue ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro

Janeiro (2003)

Após o caso vir a público, Polícia Federal abre inquérito sobre os depósitos supostamente ilegais

Fevereiro (2003)

Assembléia do Rio instala a CPI do "propinoduto" para apurar suposto esquema de corrupção na Fazenda do Rio

Março (2003)

Um pedido de colaboração enviado pela Procuradoria suíça à Justiça Federal brasileira detalha a movimentação bancária naquele país dos oito funcionários originalmente investigados e de cinco outros --um fiscal e quatro auditores

PF indicia 12 investigados sob as acusações de lavagem de dinheiro, manutenção de conta no exterior sem comunicação à Receita e sonegação --são dez fiscais e auditores, o ex-subsecretário da Fazenda do Rio Geraldo Moreira e o lobista Romeu Sufan

Abril (2003)

No dia 15, duas testemunhas fornecem à Justiça Federal fortes indícios de que um esquema de corrupção pode estar na origem do dinheiro enviado à Suíça pelos fiscais e auditores

Maio (2003)

CPI criada na Assembléia do Rio termina seus trabalhos. Não consegue avançar nas investigações das denúncias sobre loteamento político de cargos nas inspetorias. Os deputados não conseguem comprovar se houve corrupção, mas sugerem o indiciamento de 26 pessoas e três empresas

Em seguida, o Ministério Público Federal denuncia 32 pessoas suspeitas de envolvimento com o "propinoduto". Doze fiscais estaduais e auditores federais são suspeitos de enviar ilegalmente pelo menos US$ 33,4 milhões para contas no banco suíço DBTC

Junho (2003)

Rodrigo Silveirinha, preso e processado sob acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e envio ilegal de dinheiro para a Suíça, arrola como sua testemunha de defesa o ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PSB), atual secretário de Segurança do Estado

Setembro (2003)

Os empresários Alexandre Martins e Reinaldo Pitta, procuradores de jogadores de futebol, são soltos, beneficiados por um habeas corpus concedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Estavam presos desde o dia 2 de junho no presídio Ary Franco (Água Santa, zona norte do Rio). Proprietários da Passabra Câmbio e Turismo Ltda., são acusados de terem intermediado remessas ilegais para a Suíça

Outubro (2003)

Justiça condena 22 dos 24 réus do caso, entre eles Rodrigo Silveirinha, que recebe pena de 15 anos de prisão. No total, 22 pessoas receberam condenações de prisões. Dessas, 12 já estavam detidas preventinamente. Cinco responderão em liberdade, e outras cinco serão presas agora
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página