Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/01/2004 - 19h27

Mantega repete Delfim e diz que é preciso crescer para depois distribuir

Publicidade

CAIO MAIA
da Folha Online

Numa reedição da fórmula econômica do "crescer o bolo para depois dividi-lo", que notabilizou o ministro do Planejamento do governo Figueiredo (1979-1985), Delfim Netto, o atual ocupante da mesma pasta, Guido Mantega, declarou hoje, na Índia, que o Brasil precisa "primeiro crescer, segundo distribuir a riqueza".

A declaração foi feita pelo ministro ao dizer que ficou impressionado com as taxas de crescimento daquele país, onde ele está acompanhando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na última década. "A Índia cresceu em taxas médias de 6% durante uma década. Isso fez com que pobreza absoluta fosse reduzida de 46% para 26%. Eu acho importante que a gente tenha isso em mente no Brasil", afirmou o ministro.

"Precisamos, primeiro, conseguir essas taxas de crescimento e, segundo, adotar um estilo de crescimento que distribua essa riqueza", acrescentou Mantega.

Alvo de críticas da esquerda --e até da direita-- há pelo menos vinte anos, a idéia de que a distribuição de renda só deve acontecer após o crescimento econômico já foi objeto de críticas de duas importantes personalidades do governo Lula: o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o próprio ministro Mantega.

Em entrevista à revista "Teoria e Debate", ligada ao PT, Palocci afirmava: "O problema é conseguir gerar uma mudança em que o crescimento econômico esteja casado com a inclusão social. Durante uma década tentaram convencer o Brasil de que precisava primeiro fazer crescer o 'bolo' para depois dividir; durante outra década, tentaram convencer que era necessário primeiro estabilizar para depois dividir. Cresceu o 'bolo', estabilizou-se a inflação e não se dividiu nada."

Já Mantega, em entrevista publicada no site do próprio ministério, critica os planos de governos anteriores: "Eram planos de gabinete, impostos de cima para baixo e que pretendiam fazer o 'bolo crescer', sem preocupação alguma com a distribuição de seus resultados."
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página