Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/11/2004 - 20h23

Sem-terra que cobrava pedágio é morto na Grande BH

Publicidade

THIAGO GUIMARÃES
da Agência Folha, em Belo Horizonte

O sem-terra ligado ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) Joelytton dos Santos, 39, foi assassinado na manhã de ontem com um tiro na cabeça dentro da fazenda Ponte Nova Vinhático, em Betim (região metropolitana de Belo Horizonte).

Invadida em julho de 1999 pelo MST, a fazenda, de 655 ha, foi declarada improdutiva pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e está em processo de desapropriação. O proprietário contesta o ato de desapropriação na Justiça.

Santos integrava o acampamento Dois de Julho, montado na fazenda e que conta com 50 famílias de sem-terra. De acordo com a Polícia Militar, ele cobrava pedágio de pescadores para acesso ao rio Paraopeba, que passa pela fazenda --o valor seria R$ 3.

O corpo de Santos foi encontrado às margens do rio, com uma perfuração no lado direito da cabeça. Segundo a PM, não há testemunhas do crime. Uma moto azul, com duas pessoas, foi vista deixando a fazenda após o tiro.

O coordenador do MST em Minas Luiz Antônio Medeiros Ramos disse que o pedágio era arrecadado por Santos e seu irmão José Porfírio dos Santos Filho, 32. Apesar disso, afirmou ele, os repasses para o MST não eram regulares. "Não tinha uma quantia fixa. Passavam quanto e quando queriam."

Para o coordenador do MST, a cobrança do pedágio pode ter sido a causa da morte de Santos. "Eles [Santos e o irmão] tinham rixas com pescadores." Ramos disse que o irmão de Santos já havia sido ameaçado de morte por pessoas insatisfeitas com a cobrança.

O superintendente do Incra em Minas Gerais, Marcos Helênio, disse ter informações dando conta de que "sempre houve" arrecadação de pedágio na fazenda. A prática, segundo Helênio, teria sido mantida pelos sem-terra após a invasão. Helênio afirmou que, como o Incra não tem a posse da área, não cabe ao órgão fiscalizar o que ocorre no acampamento. "Não exercemos controle nem fiscalização", disse.

O boletim de ocorrência da PM foi encaminhado para o 4º Distrito Policial de Betim. O caso deverá ser investigado pela Delegacia de Homicídios da cidade a partir de amanhã.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o MST
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página