Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/11/2004 - 20h33

Derrotada na eleição, frente PT-PSB não tem candidato para 2006 em AL

Publicidade

SÍLVIA FREIRE
da Agência Folha, em Maceió

Depois de perder a Prefeitura de Maceió, capital administrada pelo PSB há 12 anos, a frente de esquerda formada por PT e PSB em Alagoas corre o risco de não ter candidato forte para disputar a sucessão estadual em 2006.

A prefeita Katia Born (PSB), que não conseguiu eleger seu sucessor, o atual vice-prefeito Alberto Sexta Feira (PSB), perde espaço como uma possível candidata da frente à sucessão do governador Ronaldo Lessa (PSB).

Hoje, um dia depois da derrota na eleição municipal, lideranças do PT e do PSB em Alagoas manifestaram disposição de manter a aliança política no Estado até a eleição de 2006.

A vitória do pedetista Cícero Almeida para a Prefeitura de Maceió, apoiado pelo PTB, PFL, PP e PPS, consolidou uma nova força política no Estado, liderada pelo usineiro e deputado federal João Lyra (PTB). Ontem, o deputado dizia que a eleição de Almeida fortalece seu nome para a disputa estadual daqui a dois anos.

Afastados da disputa no segundo turno, o senador Renan Calheiros (PMDB) e o senador Teotônio Vilela Filho (PSDB) formam uma terceira força política no Estado, que também articula a candidatura para o governo.Com uma base política forte em todo o Estado, Calheiros pode ser visto como a "noiva" cortejada pelas correntes de Lyra e do PT-PSB.

A quarta força política em Alagoas, a senadora Heloisa Helena (PSOL), pode disputar a presidência da República pelo seu novo partido ou tentar a reeleição para o Senado.

O presidente estadual do PSB, o deputado federal Jurandir Bóia, disse ontem que o partido irá se reunir daqui a algumas semanas para definir que rumo político irá tomar. Segundo ele, a aliança com o PT deve ser mantida.

A falta de nomes para a disputa, no entanto, pode levar o PSB a uma coligação que dê densidade à uma eventual candidatura de Lessa ao Senado. Para Bóia, o partido errou ao não criar novas lideranças políticas durante os seis anos em que estiveram no governo do Estado e os 12 em que ficaram na prefeitura. "Nos acomodamos com os nomes de Lessa e Katia [Born]. Mas vamos tentar recuperar nos dois anos que temos", disse Bóia.

Para o deputado Paulo Fernando dos Santos (PT), o Paulão, presidente do diretório regional do PT em Alagoas, a aliança com o PSB deveria ser mantida além de 2006. Ele disse ainda que uma eventual aproximação com o PMDB de Calheiros não será aceita pelo partido.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Katia Born
  • Leia mais notícias no especial Eleições 2004
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página