Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/11/2004 - 20h45

Equipe de Richa poderá ter nomes ligados a Lerner e a Taniguchi

Publicidade

MARI TORTATO
da Agência Folha, em Curitiba

A equipe que o prefeito eleito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), irá montar para governar a cidade deverá contar com nomes ligados ao ex-governador Jaime Lerner (PFL, hoje PSB) e ao atual prefeito, Cassio Taniguchi (PFL).

O ex-secretário de Educação e de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Lerner, Ramiro Wahrhaftig, coordenador do plano governo de Richa, é um dos cotados. Outro é o secretário de Educação de Taniguchi, Paulo Schmidt.

Se confirmado, um terceiro nome cotado reafirma uma "tradição" nos governos do Paraná e na Prefeitura de Curitiba: a nomeação de parentes próximos para cargos de destaque na equipe. José Richa Filho, irmão do prefeito eleito, é cotado para assumir a pasta de Finanças.

O futuro prefeito disse ontem ser "possível" que sua equipe venha a contar com secretários de Lerner e de Taniguchi, mas que não tem nenhum nome escolhido até o momento. "Concentrei até ontem [ontem] todo o meu esforço para ganhar a eleição. Quanto a nomes, vou sentar para escolher a melhor equipe para o benefício da população", afirmou. Segundo ele, os critérios de escolha serão "competência e capacidade".

Durante a campanha, o tucano procurou dissociar sua imagem da de Taniguchi, que o apoiava. Eleito com 54,78% dos votos, contra 45,22% do adversário, Ângelo Vanhoni (PT), Richa derrotou, além do candidato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o candidato do governador Roberto Requião (PMDB). Na última semana da campanha, Requião assumiu o compromisso de virada, licenciando-se do governo para se dedicar ao corpo-a-corpo pró-Vanhoni, mas não conseguiu mudar a tendência indicada nas pesquisas.

Dos quatro candidatos do PT que disputaram o segundo turno no Paraná, só o prefeito Nedson Micheleti conseguiu se reeleger em Londrina. Requião, que apoiou os quatro, não comentou o resultado. Hoje foi ponto facultativo no governo do Estado e só equipes de plantão de áreas essenciais trabalharam.

Segundo Ezequias Moreira, assessor de Beto Richa, até o final da tarde de ontem o prefeito eleito não tinha recebido um telefonema de Requião cumprimentando-o pela vitória, nem do candidato que ele derrotou anteontem.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Beto Richa
  • Leia o que já foi publicado sobre Jaime Lerner
  • Leia o que já foi publicado sobre Cassio Taniguchi
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página