Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/11/2004 - 19h12

Luizianne defende volta da militância petista

Publicidade

KAMILA FERNANDES
da Agência Folha, em Fortaleza (CE)

Prefeita eleita de Fortaleza, a petista Luizianne Lins afirmou hoje que há a necessidade de resgatar a militância do PT, como forma de fortalecer o partido e o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Para ela, esse foi um dos recados dados pelas urnas neste segundo turno, com a derrota do PT em cidades importantes onde já governava. "Acho que, para o bem do PT e para o bem do governo Lula, esse PT da militância, da forma diferente de fazer política, tem que ser resgatado", disse.

Luizianne é da tendência Democracia Socialista, mais à esquerda no PT, e teve sua candidatura rejeitada pela própria cúpula do partido durante todo o primeiro turno. Ela venceu a eleição contra o pefelista Moroni Torgan.

Para a petista, é necessário "radicalizar a democracia" no PT. "Eu acho que o partido tem que investir mais na base militante. Nós temos que voltar às plenárias de base, voltar à política de cada vez mais unir o partido para decidir as coisas. É, na verdade, radicalizar a democracia, inclusive para o bem desse governo."

Luizianne disse que ainda não tem uma opinião sobre o que causou as derrotas do PT em São Paulo e Porto Alegre, mas afirmou que, para fazer essa leitura política, o partido terá que avaliar também o desempenho do governo Lula.

"Não gosto da visão de que o governo [federal] não tem nada a ver com isso porque tem avaliação positiva. Isso não responde. Como também não responde dizer que a culpa foi do governo porque o governo Lula está mal. Isso também não responde. O partido, independente de qualquer coisa, vai ter que ter uma avaliação política, vai ter que fazer uma reflexão sobre o governo, sobre a política econômica", disse ela.

"Afinal de contas, só não faz uma autocrítica quem acha que não erra. Ou seja, alguém que não existe."

Luizianne afirmou que não será "adesionista" e que vai manter sua postura contra o que considerar errado no governo Lula, com críticas à política econômica, mas apoiando o que achar que está certo.

Um dos petistas da cúpula que fizeram oposição à candidatura dela no primeiro turno, o presidente nacional do partido, José Genoino, foi a primeira liderança petista a telefonar para parabenizá-la.

Ele a convidou a participar de uma reunião com prefeitos eleitos do partido, que deve acontecer no final deste mês. Luizianne também já articula um outro encontro, dessa vez com prefeitos eleitos em capitais do Nordeste, tanto os do PT como os de outros partidos, que poderá acontecer em Fortaleza, também em novembro.

Para a posse, Luizianne afirma que todos os petistas estão convidados, até mesmo o presidente Lula. "Acho que minha relação com o presidente será a melhor possível. Só espero que não tenha problemas com algum ministro, por ser da corrente A ou B do partido", disse, sem citar nomes. O ministro, porém, que mais lutou contra sua candidatura foi José Dirceu (Casa Civil), que participou, inclusive, da campanha de Inácio Arruda (PC do B) no primeiro turno.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Luizianne Lins
  • Leia mais notícias no especial Eleições 2004
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página