Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/08/2005 - 09h08

Maluf pagou Duda via EUA, acusa doleiro

Publicidade

ANDRÉA MICHAEL
da Folha de S.Paulo

O doleiro Vivaldo Alves, conhecido como Birigüi, declarou em depoimento ao Ministério Público e à Polícia Federal que, por ordem de Flávio Maluf, filho do ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf, transferiu em 1998 US$ 5 milhões para o publicitário Duda Mendonça em uma conta no Citibank de Nova York.

Alves afirmou que, segundo Flávio Maluf, o dinheiro se destinava à campanha eleitoral de seu pai, que na época disputava com o tucano Mário Covas o governo de São Paulo. Maluf negou a versão ontem.

Conforme Alves, o dinheiro teria sido transferido em parcelas de cerca de US$ 840 mil cada uma, entre junho e outubro de 1998. O ponto de partida seria a conta Chanani, no banco Safra de Nova York, com destino à conta da Heritage Finance Trust, no Citibank também de Nova York, "com favorecimento final ao publicitário Duda Mendonça".

Constam da base de dados do Safra de Nova York, que teve o sigilo parcial de algumas operações quebrado e enviado à CPI do Banestado, pelo menos duas remessas de US$ 840 mil, oriundas da Chanani e com o perfil semelhante ao descrito pelo doleiro.

Aconteceram em 15 de julho e 5 de agosto de 1998 e trazem também como anotações de referência dados relacionados à Suíça.

De acordo com informações obtidas pela CPI do Banestado, que investigou evasão fiscal e lavagem de dinheiro, a Heritage movimentou cerca de US$ 31 milhões, entre 1997 e 2003, por meio dos bancos MTB, Safra, Merchants e Banestado, além da offshore Beacon Hill.

No domingo, a Folha revelou que Duda e sua sócia Zilmar Silveira movimentaram cerca de US$ 1,5 milhão no sistema financeiro americano usando a conta da offshore Agata, no MTB Bank.

A Agata, que segundo a PF tem sede nas Ilhas Virgens Britânicas e pertence ao casal Myriam e Roger Haber, que vive em São Paulo, movimentou US$ 600 milhões.

O caminho das operações associadas a Duda e Zilmar passa por duas contas no BankBoston que, conforme a base de dados do MTB, pertenceriam ao publicitário e à sua sócia.

Quebra de sigilo

Na semana passada, a PF pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) a quebra do sigilo das contas que seriam de Duda e Zilmar no BankBoston, bem como daquela mantida pela offshore --conta cujos nomes dos sócios não são revelados-- Dusseldorf no sistema financeiro americano.

Os pedidos foram apresentados no âmbito do inquérito que investiga o pagamento do chamado "mensalão" e dependem ainda de apreciação do ministro do STF Joaquim Barbosa, relator do caso.

Em seu depoimento, prestado no dia 2 de agosto, o doleiro Vivaldo Alves disse que, ao ser intimado pela PF, entrou em contato com Flávio Maluf. Reunidos no escritório de um advogado, conforme contou o doleiro, Flávio teria pedido a ele que usasse do direito de somente prestar declarações em juízo. Alves recusou.

Diante de procuradores e policiais, ele disse que estaria disposto a colaborar e passou a contar detalhes sobre suas operações, entre as quais as destinadas a Duda Mendonça.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Paulo Maluf
  • Leia a cobertura completa sobre o caso do "mensalão"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página