Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/04/2006 - 07h07

Pedido do Incra faz PM suspender reintegração de posse na Suzano

Publicidade

LUIZ FRANCISCO
da Agência Folha, em Texeira de Freitas

Inicialmente marcada para ontem, a reintegração de posse de uma fazenda da Suzano Papel e Celulose invadida por cerca de 3.500 integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) foi suspensa pela Polícia Militar por 24 horas a pedido do Incra da Bahia. Os 120 policiais que chegaram à propriedade invadida em Teixeira de Freitas (820 km de Salvador), às 7h30 de ontem, deixaram o local à tarde, sem nenhum aviso à Justiça.

A PM informou que, por solicitação do superintendente regional do Incra no Estado, José Leal, "decidiu suspender momentaneamente a operação de reintegração de posse" e marcou para hoje, "sob qualquer hipótese", o cumprimento da decisão do juiz Roney Jorge Cunha Moreira.

Em sua sentença, o juiz determinou a saída imediata dos sem-terra --ontem, dez dias depois da decisão, o mandado ainda não tinha sido cumprido. "Estamos aqui para negociar, jamais vamos usar da violência para expulsar os sem-terra", disse o capitão PM Cléber Ribeiro de Araújo, comandante da operação.

O Incra informou que solicitou à PM mais 24 horas porque o superintendente Leal apresentaria uma nova proposta aos sem-terra para a desocupação da área --os agricultores querem 10 mil hectares de terra (cada hectare tem 10 mil metros quadrados) e liberação de crédito agrícola.

Os sem-terra baianos soltaram fogos de artifício para que todos soubessem da chegada dos 120 policiais mobilizados pelo governo estadual para a operação.

Apenas seis PMs (quatro negociadores) conversaram com os líderes dos sem-terra --os integrantes da Caema (Companhia de Ações Especiais da Mata Atlântica), fortemente armados, ficaram a 200 metros do acampamento montado pelos agricultores.

Após a chegada da PM, os sem-terra bloquearam a estrada que dá acesso à fazenda e colocaram cerca de 30 crianças na frente do bloqueio.

Depois de cantar os hinos do movimento, os agricultores, com foices e enxadas, destruíram e queimaram uma placa instalada pela Suzano contendo as especificações técnicas da fazenda --área de 975 hectares, sendo 625 ha com plantação de eucalipto.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre ocupações dos sem-terra
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

    Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página