Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/10/2006 - 21h45

Ciro Gomes tem maior votação proporcional para deputado federal no país

Publicidade

KAMILA FERNANDES
da Agência Folha, em Fortaleza

Após duas disputas presidenciais sem sucesso, o ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PSB) foi o deputado federal mais votado do país, proporcionalmente, com 667.830 votos, 16,19% do total.

O feito de Ciro possibilitou a eleição também de outros candidatos a deputado da coligação que não conseguiram tantos votos como o ex-governador, mas foram beneficiados pela votação de Ciro. Entre eles os petistas José Nobre Guimarães e José Airton Cirilo.

Guimarães, irmão do deputado federal José Genoíno (PT), ficou conhecido nacionalmente após um de seus assessores ter sido preso, em São Paulo, com US$ 100 mil escondidos na cueca.
Além desse escândalo, Guimarães também foi envolvido no escândalo do mensalão por ter recebido dinheiro de uma conta do empresário mineiro Marcos Valério.

Cirilo, que quase venceu a eleição passada ao governo do Ceará, esperava ser ele mesmo o deputado federal mais votado. Sua pretensão foi frustrada, porém, por aparecer como um dos envolvidos no escândalo dos sanguessugas, como intermediário na venda de ambulâncias da empresa Planam à prefeituras.

Os dois não teriam conseguido entrar na Câmara Federal se não fosse a grande votação da coligação de Ciro, formada pelo PSB, PMDB, PT e PP. Guimarães teve 88.486 votos e Cirilo, 59.786 votos. O coeficiente eleitoral para deputado federal no Ceará este ano, número que representa o mínimo necessário para eleger um candidato, era de cerca de 180 mil votos. A coligação de Ciro conseguiu eleger 14 deputados federais.

Dos 22 deputados que se elegeram, apenas três tiveram um número maior que essa votação: Ciro, Eunício Oliveira (PMDB) e José Gerardo Arruda (PMDB). Em números absolutos, Ciro ficou atrás, no país, apenas de Paulo Maluf (PP-SP), que conquistou 739.827 votos, mas que representam apenas 3,63% do total.

Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página