Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
30/12/2005 - 09h22

PUC-SP continuará a demitir docentes

Publicidade

FÁBIO TAKAHASHI
da Folha de S.Paulo

Em reunião aberta que contou com cerca de 80 professores, a reitoria da PUC-SP reafirmou ontem que será preciso cortar ainda mais o quadro de docentes devido à crise financeira da instituição.

A posição frustra, oficialmente, a proposta da Apropuc (sindicato da categoria) aprovada em assembléia na última terça-feira, que aceitava uma diminuição salarial se não houvesse demissões.

Já está em curso o corte de 87 dos 1.900 professores --47 aderiram voluntariamente. Esse número irá aumentar, pois a meta da reitoria ainda não foi atingida.

"Juridicamente, a redução de salários é uma solução muito vulnerável", afirmou o chefe-de-gabinete da reitoria, Guilherme Simões. "Essa saída só teve sucesso em outras instituições quando foi possível dar uma contrapartida, ou seja, a garantia do emprego. Não podemos fazer isso."

Na avaliação da reitoria, apenas a redução de salário é insuficiente para diminuir em 20% a folha de pagamento até fevereiro. Essa é a exigência dos bancos Bradesco e ABN Amro, que emprestaram R$ 82 milhões para a PUC-SP pagar dívidas com 14 instituições.

Agora, esses bancos querem que a universidade acabe com o déficit mensal de R$ 4 milhões, como um sinal de que o empréstimo será pago na totalidade.

A primeira medida tomada pela universidade foi aumentar a carga de aulas dos professores. Com isso, diminuiu-se a demanda por docentes, o que possibilitou a diminuição de contratos e as demissões que estão em curso.

Porém, essas medidas atingiram apenas 10% da meta. A situação fez com que dom Cláudio Hummes, que ocupa o maior posto da PUC-SP e é fiador da dívida, cogitasse a hipótese de fazer uma intervenção na universidade, tirando poderes administrativos da reitora Maura Véras.

Sob essa pressão, Véras conseguiu apoio do Conselho Universitário (instância máxima da PUC-SP) na semana passada para aumentar o corte. Neste momento, os departamentos estão estudando como fazer a redução.

Os critérios utilizados para isso foram contestados ontem por docentes na reunião com a reitoria. "As escolhas estão sendo políticas e não acadêmicas", disse Marly Cavalcanti, 62, professora de economia. A reitoria rebateu afirmando que estão sendo considerados itens como produtividade e dedicação ao trabalho.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a PUC
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

    Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página