Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/10/2001 - 08h33

Alterações na arcada dentária podem causar 30 tipos de dores

Publicidade

SIMONE PAULINO
da Folha de S.Paulo

Imagine um trem andando com alguns vagões fora dos trilhos. Durante a viagem, estruturas entortam, se soltam, e cedo ou tarde todos os vagões saem da linha. É mais ou menos isso o ue ocorre na boca de quem tem dentes fora do lugar.

Os sinais de uma alteração no posicionamento dos dentes ou das arcadas dentárias podem aparecer em forma de dores de ouvido, de cabeça e na coluna, de inflamação na gengiva ou de apnéia do sono, entre outros.

A Equipe de Dor Orofacial da Divisão de Odontologia do Hospital das Clínicas de São Paulo recebe mensalmente cerca de 600 novos pacientes com queixas de dor.

"Desse total, cerca de 30% reclamam de dor de ouvido, e somente 5%, de dor nos dentes", diz José Tadeu Tesseroli de Siqueira, supervisor da instituição.

Até chegar à cadeira dos dentistas, os pacientes costumam passar por consultórios das mais diferentes especialidades. "São cerca de 30 sintomas que podem ter origem no mau posicionamento dos dentes e das arcadas dentárias, mas nem todo mundo tem informação sobre isso", explica o ortodontista Darcy Flávio Nouer, da Unicamp.

Até pouco tempo atrás, acreditava-se, por exemplo, que o grande vilão relacionado aos quadros de apnéia do sono era o excesso de peso. "Hoje sabe-se que pelo menos 40% dos casos têm como fator desencadeante os distúrbios maxilares", diz Cibele Dal Fabbro, dentista do Instituto do Sono, da Unifesp.

Nesses casos, o maxilar se desenvolveu de forma irregular sem deixar espaço adequado para a língua se acomodar na boca, chegando a fechar a passagem do ar momentaneamente quando a pessoa adormece.

O aposentado Luiz Sérgio Gomes, 57, sofreu dois anos com dores na face. "Passei por 14 dentistas, fiz canal em cinco dentes, consultei-me com dois neurologistas e dois otorrinolaringologistas. Até tomografia do crânio tive de fazer.

Chegaram a dizer categoricamente que a minha dor era psicológica, e eu pensei que estava mesmo com algum problema emocional, sem contar o medo de uma doença grave na boca ou na cabeça", conta. Depois de muita peregrinação, foi encaminhado a um especialista em dor orofacial.

Diagnóstico: um dos dentes da arcada inferior estava pressionando o nervo de um dente de cima. Uma placa de acrílico na boca para impedir o contato entre os dentes de cima e os de baixo durante o sono foi a solução.

"O estresse da vida moderna acentuou as dores associadas aos dentes, porque há uma tendência de concentrar neles boa parcela da carga de tensão acumulada no dia-a-dia", diz Júlio Wilson Vigorito, professor da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo.

A advogada Elizabeth Pereira Prado, 44, por exemplo, apertava os dentes enquanto dormia, o que passou a causar dores na face. Ela chegou à cadeira do dentista depois de passar por um clínico-geral, um especialista em ouvido e um neurologista.

Diagnóstico: o excesso de força sobre a arcada estava provocando uma inflamação no masseter, músculo situado na boca e um dos principais envolvidos no processo de mastigação.

Pequenos acertos na mordida (por meio de desgaste do dente ou aplicação de resina, dependendo do caso) e uma placa de acrílico na boca para dormir acabaram com as dores da advogada.

A procura por soluções para os cerca de 30 sintomas vem mudando o perfil típico dos usuários de aparelhos corretivos, uma das formas de tratamento. No Brasil, a proporção de adultos que aderem a eles varia de 30% a 50% do total de pacientes que frequentam os consultórios especializados.

A assistente financeira Antonia Furtado de Mello, 43, começou a sentir os primeiros sinais da boca por meio de dores de cabeça e na nuca. "Procurei primeiro um clínico-geral, que tratou o problema como se fosse apenas uma cefaléia", conta. Não conseguiu se livrar das dores de cabeça e ainda passou a ser contemplada com dores de ouvido.

O otorrino detectou a origem da dor -a articulação das arcadas dentárias- e a encaminhou a um especialista em ortopedia funcional dos maxilares (leia mais sobre essa nova especialidade na pág. 11). A extração de dois dentes na adolescência forçou a movimentação dos outros dentes e provocou uma leve projeção do queixo de Antonia para a frente.

Tratamento: aparelho ortopédico funcional para devolver os dentes à posição natural e depois repor os que estão faltando.

Os sintomas podem ser causados não apenas pelo mau posicionamento dos dentes, mas de uma prótese também. A dor contínua no lado esquerdo do rosto de Cecy Lazzarine, 62, está sendo relacionada ao mau posicionamento de uma prótese dentária que ela usou para substituir dentes que havia pedido.

Casos como esses comprovam o que os especialistas são unânimes em ressaltar.

"Cada vez mais as pessoas estão se conscientizando de que a boca é um órgão nobre e precisa de cuidados para não desequilibrar o funcionamento de outras partes do corpo", diz Nouer.

Várias pesquisas vêm demonstrando que ter dentes bem cuidados, livres das periodontites, diminui até os riscos de doenças coronarianas e pulmonares.

Como se não bastasse, as pessoas têm recorrido aos tratamentos por questões puramente estéticas, a fim de harmonizar os traços da face.

"Há casos em que, mexendo apenas no alinhamento dos dentes e no reposicionamento das arcadas, é possível corrigir sorrisos que expõem demais a gengiva ou lábios que são muito afinados por causa da posição dos dentes", explica Aroldo Ayres Monteiro, cirurgião plástico bucomaxilofacial do HC.

Leia mais:

  • Conheça algumas doenças que podem ter como causa a boca

  • Reconhecida nova especialidade odontológica

  • Saiba diferenciar aparelhos dentários ortopédicos e ortodônticos

  • Antes da plástica no rosto, vá ao dentista



  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

    Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

    Celulares | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página