Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/08/2001 - 05h07

Jorge Amado foi o autor mais espionado

Publicidade

MÁRIO MAGALHÃES
da Folha de S. Paulo, no Rio de Janeiro

Nunca houve na história do Brasil um escritor tão espionado pela polícia política como Jorge Amado. Desde a primeira prisão, no dia 21 de março de 1936, até o fim do regime militar (1964-85), o autor de "Tieta do Agreste" teve os movimentos vigiados.

Quando foi viver no Uruguai, arapongas a serviço do Estado Novo (1937-45) o seguiram. Nas viagens pelo mundo em que pregou contra o poderio bélico dos EUA e em defesa da hoje extinta URSS, ofícios com o carimbo do Ministério das Relações Exteriores, endereçados aos órgãos de repressão política, esmiuçaram seus passos, discursos e companhias.
Em Belo Horizonte, os agentes secretos do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) descreveram todas as pessoas que o recepcionaram na estação ferroviária, que conversaram com ele, os drinques servidos num coquetel e o horário em que, de madrugada, uma festa terminou (2h30).

Invasões a residências suas renderam aos tiras preciosidades como o roteiro original do filme ""Estrela da Manhã", escrito a máquina e autografado com caneta-tinteiro por Jorge Amado, e o cartão que ele recebeu num almoço em sua homenagem no Automóvel Clube do Brasil, no Rio, em 1952. Além de Amado, todos os presentes, como o escritor Graciliano Ramos e o pintor Cândido Portinari, assinaram.

Com a interceptação da sua correspondência, a polícia detectou mudanças nas orientações políticas da cúpula da Internacional Comunista na América Latina e monitorou questões pessoais do escritor baiano.

Essas informações -e relíquias, no caso do roteiro e do cartão- constam do prontuário 20.175, aberto em 1936 pelo Departamento de Polícia Política e Social, e de quatro dossiês específicos sobre Amado alimentados até 1960. A Folha teve acesso aos documentos -no total, cerca de 300 páginas- no Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro.

Há outros dados sobre o escritor em pelo menos uma centena de outros relatórios, cujos temas centrais são, por exemplo, o Partido Comunista Brasileiro ou o seu principal líder dos anos 1930 aos 1970, Luís Carlos Prestes.

O arquivo não permitiu a leitura dos papéis posteriores a 1960, quando, com a transferência da capital para Brasília, a polícia política do Rio passou a ser a do Estado da Guanabara.

A partir de então, os relatórios tornaram-se mais apimentados, com acentuada curiosidade sobre a vida privada dos investigados. A instituição fluminense exige autorização da família para pesquisas sobre os documentos pós-1960.

Stalinismo
A polícia abriu o prontuário de Jorge Amado quando ele foi preso, em 1936, acusado de participar do malsucedido levante comunista de novembro de 1935 contra o governo Getúlio Vargas. Só numa prisão de 1942 o escritor seria fotografado e registraria suas impressões digitais numa ficha.

O material acumulado pelos espiões expõe tanto a atividade política como a literária de Amado.

Os agentes descobriram em 1945, no lançamento da edição brasileira da biografia de Prestes, "O Cavaleiro da Esperança", que Jorge Amado mudou o texto, publicado originalmente (1942) em espanhol. Ele apagou os traços mais fortes de vilão com que perfilara o presidente da República.
Os arapongas produziram relatórios com passagens de livros de Amado, como o "O Mundo da Paz", apreendido em 1951.

Dedicado ao ditador soviético Josef Stálin (1879-1953), o volume dizia que "não há sentimento mais nobre nos dias de hoje, no coração de qualquer homem, que o amor pela URSS". Stálin foi chamado de ""sábio dirigente dos povos do mundo na luta pela felicidade do homem sobre a terra".

Anos mais tarde, quando se aproximou do político conservador Antonio Carlos Magalhães, o escritor afirmou se arrepender de parte da trajetória comunista.

Nazismo
No período militante, como citam com insistência os informes, Jorge Amado colaborou com o jornal ""Meio-Dia", editado na virada da década de 30 para a de 40, quando Stálin firmou um pacto com o líder nazista Adolf Hitler.

Nessa publicação, Hitler e o nazismo foram tratados com deferência pelos intelectuais comunistas brasileiros. Numa afirmação sem prova, a polícia política relatou que em 48 Amado teria viajado a Moscou "com a finalidade de obter fundos bastantes para compensar a perda de uma parte substancial de recursos decorrente da extinção dos mandatos e do fechamento do PCB".

Leia mais notícias sobre a morte de Jorge Amado
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página