Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/05/2003 - 10h25

Morre no Rio Waly Salomão, poeta e secretário nacional do Livro

da Folha Online

Waly Salomão, 59, poeta e secretário nacional do Livro e Leitura, morreu às 7h40 de hoje, na Clínica São Vicente, na Gávea, zona Sul do Rio, onde estava internado havia duas semanas para tratamento de um câncer no fígado.

Chris von Ameln
Waly Salomão, poeta e
secretário nacional do Livro
O corpo do poeta e letrista será velado a partir das 16h no Cemitério São João Batista, em Botafogo. Amanhã (6), será cremado no Cemitério do Caju, às 9h, na zona Norte da cidade.

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, amigo muito próximo de Salomão, está no Rio de Janeiro e acompanhará o velório e o enterro.

Além de poeta, Salomão também escreveu letras para músicas gravadas por Gal Costa, Maria Bethânia, Cazuza, Lulu Santos e João Bosco, entre outros. Ele participou do movimento cultural Tropicália, na década de 60, que misturou temas e palavras americanas aos utilizados pela popular Bossa Nova.

Autor dos livros foram "Lábia" (1998), "Tarifa do Embarque" (2000) e "O Mel do Melhor" (2001), Salomão lançou obras como "Alegria, Alegria" (primeiro livro de Caetano Veloso).

Leia mais
  • Waly Salomão foi peça-chave na Tropicália
  • Saiba mais sobre Waly Salomão

    Especial
  • Veja galeria de fotos de Waly Salomão
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página