Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/08/2006 - 10h13

Site irá disponibilizar coleção completa do "Pasquim"

Publicidade

GABRIELA LONGMAN
da Folha de S.Paulo

Enquanto revistas antigas são geralmente malconservadas e pouco lidas nas bibliotecas e acervos, um jornalista/ historiador/webdesigner passa as noites em claro para disponibilizar on-line e gratuitamente edições de "O Cruzeiro", "Careta" e "O Malho" --publicações que marcaram a história da imprensa no século 20.

Criador do site Memória Viva (www.memoriaviva.com.br) há oito anos, Sandro Fortunato prepara uma nova empreitada: um gigantesco banco de dados digital em que tudo o que já foi escrito, citado e desenhado no "Pasquim" poderá ser localizado por internautas.

Alan Marques/Folha Imagem
Jornalista Sandro Furtado, do Memória Viva, que publica também biografia de famosos
Jornalista Sandro Furtado, do Memória Viva, que publica também biografia de famosos
Com a autorização de Ziraldo, Ivan Cosenza (filho de Henfil), Luiz Carlos Maciel e outros colaboradores do periódico, aos poucos Fortunato transforma em arquivo digital a coleção completa do "Pasquim", semanário editado entre 1969 e 1991 e famoso pela contestação à ditadura militar.

A coleção foi doada em maio deste ano pelo mineiro Rogério Gomes. Se Sandro mora em Brasília e a coleção estava em Juiz de Fora (MG), não teve problema: pegou um ônibus e em menos de 24 horas trouxe para seu apartamento em Brasília cerca de 300 quilos de jornal --mais de mil exemplares.

"Cheguei à rodoviária com 16 sacos de lixo lotados. O motorista me disse: 'Olha, você precisa transformar isso tudo em quatro volumes. Dois deles você tem direito a levar, o menor eu vou te cobrar, e o quarto eu finjo que não vi'."

Depois da "travessia", a coleção começa a chegar à internet na semana que vem, no dia 4 de setembro, com os 50 primeiros números digitalizados.

Carioca de 34 anos, Fortunato já viveu no Rio, em Natal, em Brasília. Embora dedique a maior parte de seu tempo ao Memória Viva, trabalha num portal particular para tirar seu sustento. "O Memória Viva nunca teve patrocinador, não cobra por acessos", diz o jornalista, cuja coleção tem cerca de 9.000 jornais e revistas.

"O site surgiu da constatação de que a web brasileira, assim como o próprio país, não costuma preservar sua memória."

No início, a página reunia biografias de personalidades da história e da cultura do país. O trabalho com a imprensa só começou em 2002. "Quando precisei de fotos de Juscelino Kubitschek, tive a oportunidade de ter em mãos 40 edições da revista "O Cruzeiro". Em pouco tempo estaria no ar um setor voltado exclusivamente para a revista. Em 2005, o site foi vencedor do Prêmio Ibest de Arte e Cultura e hoje recebe cerca de 2.000 visitas diárias.

Direitos Autorais

Para disponibilizar "O Pasquim", Fortunato procurou os colaboradores e pediu a liberação do material; mas e quanto à revista "O Cruzeiro"?

"Até hoje existe briga na família do [Assis] Chateaubriand pela fortuna dos "Diários Associados", da qual "O Cruzeiro" fazia parte. Mas a coisa é ainda mais complicada: quando vou publicar uma matéria, o direito é de quem escreveu ou do jornal que publicou? Em relação às fotos, tem o direito do fotógrafo, do veículo e de quem aparece. Ou você faz como eu fiz --vai colocando no ar-- ou então não faz nunca."

Fortunato argumenta que seu trabalho é de interesse histórico e sem fins lucrativos. "Se alguém se achar ofendido ou pedir para não publicar algo, tiro do ar na hora", diz, fugindo da encrenca judicial --nunca foi processado. "Em geral, acontece o contrário: muitos fotógrafos da época entraram no site e ficaram fascinados: "Puxa, obrigado, alguém prestou atenção e preservou no nosso trabalho"."

"Bibliotecas" similares

Se ainda são muito raras iniciativas como as do Memória Viva, pouco a pouco a internet começa a receber outros sites que ajudam a mapear história do Brasil por meio de sua imprensa e de suas publicações.

Um dos melhores exemplos é o site Rio Através dos Jornais (www2.uol.com.br/rionosjornais), que percorre eventos da história do Rio de Janeiro, entre 1888 e 1969, contados na íntegra, pela ótica de 62 diferentes jornais da época.

Recentemente o Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) colocou na rede a coleção de sua célebre revista "Novos Estudos", publicação que marcou a história intelectual do Brasil a partir de 1981.

Assim, no site do centro (www.cebrap.org.br) é possível acessar artigos dos críticos Roberto Schwarz e Antonio Candido, do sociólogo Francisco de Oliveira e dos economistas Celso Furtado e Paul Singer, entre outros. A leitura da íntegra dos textos, porém, só é permitida aos assinantes, ao custo de R$ 45 anuais.

O Banco de Dados da Folha gerencia a página Almanaque (almanaque.folha.uol.com.br), em que é possível acessar textos históricos do jornal e galerias de fotos antigas, ordenadas por assunto.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre "O Pasquim"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página