Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/01/2007 - 10h41

Harper retorna ao Brasil para tocar, cantar e pegar onda

Publicidade

ANA PAULA BONI
da Folha de S.Paulo

Se os ventos estiverem soprando para o lado certo e der onda no fim de semana do dia 20, sorte a de quem estiver no show do californiano Ben Harper, 37, que toca em São Paulo nos próximos dias 22 e 23. Ele deverá estar inspirado.

Por dois motivos: ele é surfista, assim como seus amigos-cantores Jack Johnson, 31, e Donavon Frankenreiter, 34 --este que abre os seis shows de Harper no Brasil--; e terá a chance de "entrar na água", como diz, em Florianópolis, Rio e Salvador, onde se apresenta, respectivamente, nos dias 20, 25 e 27. Ainda faz show em Porto Alegre, no dia 18.

Reuters
Cantor californiano Ben Harper, 37, se apresenta no Brasil nos dias 22 e 23 de janeiro
Cantor californiano Ben Harper, 37, se apresenta no Brasil nos dias 22 e 23 de janeiro
Além disso, sua turnê 2007 se inicia pelo Brasil, após um jejum de nove anos, quando esteve no Free Jazz de 1998.

Após esse hiato, Harper promete uma seleção de músicas que abrace boa parte de sua obra --sete álbuns, sendo o primeiro de 1994 ("Welcome to the Cruel World") e o último, "Both Sides of the Gun", de março de 2006. "Mas nunca escolhemos o set list até talvez uma hora antes do show."

O alívio é que de música ele entende --de rock, funk, blues e reggae a gospel e baladas. Em entrevista coletiva por telefone anteontem, com participação da Folha, ao ouvir Harper falar sobre a poluição de São Paulo após ser questionado se conhece a política brasileira, não dá para arriscar falar de mensalão nem de violência no Rio.

O detalhe é que, na abstração dele sobre o que lê nos jornais, não se conclui se a poluição a que se refere é a do ar ou a visual --em relação à lei que proíbe propaganda nas ruas, noticiada no "New York Times".
Mas não precisa saber de Brasil para dizer que "é preciso haver mais compaixão entre política e grandes negócios". "Quando é que alguém é rico o suficiente para começar a devolver um pouco [ao povo]?"

Capoeira e cavaquinho

Aqui o que ele quer mesmo é "ver capoeira, comer churrasco, ouvir cavaquinho". Berimbau ele até já usou na música "Less", do álbum "Burn to Shine" (1999). E na memória sobre o Brasil: surfe e Corcovado.

"Minha memória mais antiga é de ver meninos "pegando jacaré" [surfar com o corpo] em ondas enormes. Não podia acreditar", diz o cantor, que, após a turnê, percorrerá o Sul do país por três semanas numa moto, com um colega de sua equipe.

De sua casa em Los Angeles, Harper antecipa um obrigado ao Brasil. "Tenho viajado o mundo nos últimos dez anos, e, em todo show, há fãs brasileiros. Obrigado a vocês por manterem a música tão viva."

Ben Harper diz não ver a hora de subir ao palco com sua banda, a Innocent Criminals, cuja atual formação está tocando "da forma mais excitante". Após 13 anos de carreira, a afinidade é tão grande que, em Paris, em 2006, eles gravaram um novo disco em uma semana.

O que era regra nos discos anteriores --Harper assinar letra e melodia- virou exceção neste, a ser lançado em setembro. "Fiz as letras, mas todas as músicas, exceto talvez uma, foram uma parceria [com a banda]". E como é o disco? "Acústico. É disco de um compositor."

BEN HARPER
Quando: 22 e 23/01
Onde: Via Funchal (r. Funchal, 65, tel. 0/xx/11/3089-6999)
Quanto: de R$ 150 a R$ 300

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Ben Harper
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

    Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página