Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/01/2007 - 15h48

Documentário traça relação entre cirurgia plástica e corrupção no Brasil

Publicidade

da Folha Online
com Reuters, em Park City (Utah)

A conexão entre um "boom" de cirurgia plástica de reconstrução de orelhas e a corrupção dos políticos no Brasil está longe de ser evidente. Mas um jovem diretor dos EUA cruzou o país e conseguiu coletar indícios que traçam essa relação em um novo documentário independente.

Reuters
Jason Kohn, diretor do documentário "Manda Bala" (Send a Bullet) sobre corrupção no Brasil
Jason Kohn, diretor do documentário "Manda Bala" (Send a Bullet) sobre corrupção no Brasil
Em "Manda Bala" (Send a Bullet), competindo este ano no Sundance Film Festival (festival.sundance.org/2007/), Jason Kohn, 28, argumenta que o rompante de corrupção entre políticos poderosos na pobre região do Norte do país desencadeou uma espiral de crimes violentos no rico Sul.

A cidade de São Paulo (região Sudeste), com seus 20 milhões de habitantes, é apresentada no filme como a "capital do seqüestro" no Brasil. Criminosos, localizados em bairros pobres da periferia, freqüentemente cortam as orelhas de vítimas de seqüestro para pressionar seus familiares a pagarem o resgate --enquanto a vítima, liberada, recorre à cirurgia plástica para restaurar sua aparência, diz Kohn, justificando o "boom" da cirurgia no país.

Em relatos de um seqüestrador ao jovem diretor, a maioria das pessoas que vivem na periferia são do Norte e do Nordeste --que vieram a São Paulo motivados pela falta de comida e de empregos em uma das regiões mais pobres da América Latina. Kohn argumenta que não seria desta forma se os políticos do Norte e Nordeste não tivessem roubado tanto dinheiro.

"Para relacionar as duas histórias [corrupção e cirurgia plástica nas orelhas], realizei um trabalho de cinco anos e a relação, naturalmente, não era tão óbvia no começo", afirma Kohn à Reuters depois da estréia de seu primeiro filme, um refinado trabalho com um apertado orçamento.

Seu trabalho compete com 15 outros documentários no mais importante festival norte-americano de filmes independentes, o qual termina dia 28 de janeiro. Ele espera fechar a distribuição do filme ainda esta semana.

Leia mais
  • Americanos filmam violência brasileira

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Sundance
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página