Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/03/2004 - 15h28

Saiba o que é um serial killer

Publicidade

LÍVIA MARRA
MILENA BUOSI
da Folha Online

Uma pessoa fria, egoísta, sem sentimentos de piedade e com habilidade para mentir. Vaidoso e que, em cada assassinato, quer deixar sua marca. Este é o perfil de um serial killer, segundo especialistas ouvidos pela Folha Online.

Para o médico Guido Palomba, especialista em psiquiatria forense, o assassino em série com conotação sexual vive entre a normalidade e a anormalidade, o que ele chama de estado fronteiriço. "Temos o dia e a noite. No meio, temos a aurora. Com o serial killer ocorre a mesma coisa. De um lado ele tem a normalidade, vive no meio da sociedade, não tem alucinações nem delírios. Mas, por outro lado, tem uma frieza afetiva e ausência de valores éticos e morais", afirmou.

O criminoso é enquadrado na psiquiatria como um sociopata. Por levar uma vida normal e, de repente, matar, ele tem dupla personalidade. O termo foi descrito pela primeira vez, segundo Palomba, em 1840, com base em um militar francês que, durante o dia, trabalhava e convivia pacificamente com sua família e, à noite, invadia cemitérios para violentar cadáveres.

O serial killer tem consciência e sabe que está praticando um crime. No entanto, ele não tem sentimentos nem sente pena da vítima. "Ele quer se saciar do apetite mórbido. Ele é parcialmente capaz de entender o que ocorre [no momento do crime]. Mas o desejo e a falta de freio afetivo se sobrepõem", disse Palomba, que compara o ato do criminoso com o de uma pessoa extremamente ciumenta.

"A pessoa que sente ciúmes tem um impulso que não consegue frear. Ela está dominada e não é livre. O mesmo ocorre com idéias homicidas do serial killer. Ele sente que precisa descarregar essa vontade."

Começo

Para o médico, que trabalhou mais de dez anos no manicômio de Franco da Rocha, os primeiros distúrbios geralmente ocorrem no início da adolescência. "Ele começa a maltratar animais, foge de casa, tem envolvimento com drogas, gosta de incendiar coisas", disse. No entanto, isso não significa que todas as crianças e adolescentes que "fazem maldades" se tornarão homicidas. O assassino em série também costuma ter problemas sexuais.

O criminoso começa a agir por qualquer "motivo", como uma simples noite mal dormida. Isso costuma ocorrer na faixa larga dos 20 aos 35 anos. "Mas nada impede que seja antes ou depois", ressaltou Palomba.

Para o médico Antonio de Pádua Serafim, do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psiquiatria Forense e Psicologia Jurídica da USP, o comportamento criminoso pode ser determinado por fatores genéticos, neurológicos ou sociais. Traumas de infância podem colaborar, como epilepsia e alcoolismo na família.

Cada serial killer tem a sua leitura do crime. Alguns gostam de enforcar, como é o caso do maníaco de Guarulhos, outros gostam de embebedar a vítima antes de violentá-la e matá-la, outros gostam de atrair para o mato, como fazia o maníaco do parque _um dos serial killers com conotação sexual mais famosos do país.

"É uma analogia de vivência pessoal", afirmou Palomba. "No caso de Guarulhos, o maníaco pode estrangular as vítimas porque, no passado, deu uma gravata em um moleque, viu ele roxo e achou bonito. O serial killer, pode, por exemplo, matar somente morenas de cabelo encaracolado porque tomou um fora de uma ex-namorada com essas características."

Apesar de ser possível identificar uma "causa", ela só poderá ser descoberta após análise individual do criminoso.

O serial killer costuma cometer o crime sempre de forma semelhante para deixar sua marca e, às vezes, leva um "souvenir". Em Guarulhos, o maníaco costuma roubar um aparelho eletrônico.

Segundo o médico Serafim, em raros os casos, o criminoso pode assassinar mais de uma pessoa no mesmo local, como "queima de arquivo".

Reincidente

O assassino em série só pára de matar se for preso ou morto. Caso seja considerado imputável e detido como um criminoso comum, após cumprir a pena, voltará a matar. Por isso, a maioria dos serial killers é considerado semi-imputável e precisa, conforme a psiquiatria, cumprir medidas de segurança em casas de tratamento, e não em presídios comuns.

"Se ele é julgado como criminoso comum, pega, no máximo, 30 anos de prisão, conforme as leis brasileiras. Mas se é tido como semi-imputável, deve pegar uma medida de segurança, que tem momento para começar, mas não para terminar", disse Palomba, que lançará o livro
"Tratado de Psiquiatria Forense Civil e Penal", no próximo ano, pela Ateneu Editora.

Para o médico, o serial killer pode parar de assassinar por um tempo, quando sente que a polícia está perto de descobri-lo e prendê-lo. Mas depois ele volta a cometer o crime. Geralmente aperfeiçoado.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página