Siga a folha

'Auxílio vai até dezembro, só não sei o valor', diz Bolsonaro

No sertão potiguar, presidente diz não ser possível garantir que valor fique nos R$ 600

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

Oferta Exclusiva

3 meses por R$1,90

+ 6 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA
ou

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 200 colunas e blogs.
Apoie o jornalismo profissional.

Luiz Henrique Gomes
Ipanguaçu (RN)

Em agenda pelo Nordeste, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (21) que o auxílio-emergencial vai ser estendido até dezembro deste ano, mas “não vai ser para sempre”. O presidente não garantiu que o valor do benefício, criado durante a pandemia do novo coronavírus, vai permanecer de R$ 600.

“Infelizmente o auxílio não vai ser definitivo, mas vai ser até que a economia realmente possa empregar no nosso país.”

“O auxílio vai ser até dezembro, só não sei o valor. São 50 bilhões por mês para deixar bem claro”, disse Bolsonaro no sertão do Rio Grande do Norte depois de ouvir pedidos do público de colocar o auxílio até dezembro.

Bolsonaro esteve na comunidade Angélica, zona rural do município de Ipanguaçu, distante cerca de 218 quilômetros de Natal. O presidente foi à comunidade para entregar uma série de obras, na primeira agenda oficial dele no estado depois de eleito presidente.

Presidente da República Jair Bolsonaro, acompanhado de moradores da comunidade, se molham nas águas do poço artesiano - Isac Nóbrega/PR

Com a presença dos dois ministros potiguares, Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Fábio Farias (Comunicação), ele abriu um poço com dessalinizadores, inaugurou a primeira rede de Wi-Fi gratuita, do programa “Wi-Fi na Praça”, e entregou títulos fundiários aos moradores.

“Para nós que estamos aqui em cima pode ser muito pouco, mas para o povo mais humilde é tudo. Entregar água, uma casa ou energia elétrica é um momento ímpar. Estamos levando o progresso e a dignidade para essa população”, disse o presidente.

“Eu disse aos meus ministros no final de 2018 no tocante a obras: ‘não vamos inventar nenhuma grande obra para marcar nosso governo. Vamos concluir obras deixadas por outros governos’”.

A comunidade onde as obras foram entregues é formada por 60 famílias de agricultores, moradores do sertão potiguar. O local já possuía um poço, mas ele secou há seis meses e era de água salobra.

Desde então a água era fornecida através dos carros-pipa às cisternas das casas, algumas de taipa. Com a inauguração do novo poço, que leva água dessalinizada, os moradores da comunidade Angélica disseram se sentir privilegiados e gratos ao presidente.

“A gente se sente muito agradecida até pela qualidade da água, que agora é doce, e privilegiado por ele ter vindo aqui", afirmou Sônia Maria do Nascimento, 52.

Nas eleições de 2018, poucas famílias da comunidade Angélica votaram no Bolsonaro no segundo turno. A opção de voto foi o então candidato Fernando Haddad (PT).

Mas o auxílio-emergencial, a inauguração do poço com água doce e principalmente a presença dele no local causou uma mudança de pensamento político.

Ele é o primeiro político de atuação nacional a ir ao local. “Ninguém vem aqui olhar pra gente, e ele veio e inaugurou um poço. Quem é que não vota? Nem vereador vem aqui, só de quatro em quatro anos e olhe lá”, afirmou Giuriane Rodrigues, 32. Ela é uma das beneficiárias do auxílio-emergencial.

Antes do auxílio, a agricultora chegou a receber o Bolsa Família, mas teve o benefício cancelado no ano passado.

A percepção dos moradores mostra como o presidente Jair Bolsonaro trabalha para aumentar a popularidade dele na região, a única onde ele teve proporcionalmente menos votos que o adversário nas eleições de 2018.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas