Siga a folha

Descrição de chapéu Coronavírus

Impasses levam Bolsonaro a adiar anúncio de medidas econômicas e sociais

Na avaliação do presidente, Guedes deveria ter aguardado uma definição da Casa Civil, que ainda não fechou detalhes das medidas, para fechar data de divulgação

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

Brasília

A equipe do presidente Jair Bolsonaro não conseguiu finalizar medidas prometidas para esta terça-feira (25) e decidiu adiar o evento destinado ao anúncio do pacote social e econômico que seria realizado no Palácio do Planalto, informaram fontes do governo à Folha.

Na última sexta-feira (21), o ministro Paulo Guedes (Economia) havia confirmado a data da solenidade para terça. Segundo ele, entre as ações previstas para serem anunciadas estariam um novo programa de emprego com encargos sociais mais baixos e a ampliação do Bolsa Família, que será rebatizado de Renda Brasil.

Membros do governo também listaram outras propostas do pacote. Entre elas, seriam destaque a prorrogação do auxílio emergencial a informais, obras de infraestrutura e novos marcos regulatórios para atrair capital privado.

Jair Bolsonaro durante cerimônia "Vencendo o Covid-19", no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira/Folhapress

Os planos para o evento, tratado internamente como o grande anúncio para a retomada do país no pós-pandemia, acabaram atrasando. Ainda não há definição de nova data, mas a solenidade pode ficar para a próxima semana.

O adiamento foi definido pelo presidente nesta segunda-feira (24), durante reunião com Guedes, no Palácio do Planalto. Segundo assessores palacianos, no encontro, Bolsonaro reclamou que o ministro da Economia se antecipou ao afirmar em entrevista que o evento ocorreria na terça.

Para o presidente, antes de falar com a imprensa, ele deveria ter aguardado uma definição da Casa Civil, que ainda não fechou detalhes das medidas.

Na última semana, já com o evento planejado para esta terça, membros do Ministério da Economia reconheciam que as propostas não estavam prontas, mas afirmavam que o ato no Planalto seria feito mesmo assim.

O argumento era que a solenidade teria a finalidade de divulgar as linhas gerais das propostas do governo, que já vinham sendo ventiladas e apresentadas nos bastidores. A entrega oficial das propostas ao Congresso ficaria para um segundo momento, após a finalização dos textos legais.

O ministro Paulo Guedes cancelou reuniões agendadas para a manhã desta segunda-feira, na tentativa de liberar sua equipe para finalizar as propostas.

Ainda há divergências em torno do Renda Brasil. Técnicos afirmam que a pasta faz os últimos ajustes na abrangência e no valor do benefício.

Para compensar o novo programa, que pode ter um custo anual de R$ 20 bilhões acima do Orçamento do Bolsa Família, Guedes quer propor a extinção de assistências consideradas ineficientes, como abono salarial, seguro-defeso e farmácia popular.

Pessoas próximas ao ministro afirmam que a proposta do Renda Brasil não está pronta porque técnicos ainda trabalham com diferentes cenários. O valor do benefício vai depender do número de pessoas atendidas e da verba disponibilizada.

Membros da pasta ainda levaram para a discussão da área social a necessidade de controle de despesas públicas após a pandemia do novo coronavírus, o que pode impor uma limitação ao valor do benefício.

Por decisão de Guedes, o Renda Brasil passou a ser desenhado dentro de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que tramita no Congresso e trata, entre outros pontos, de medidas de ajuste fiscal e retiradas de amarras do Orçamento com o objetivo de abrir espaço para gastos do governo.

Apesar de ter diversas propostas pendentes de apresentação no pacote da reforma tributária, o governo também não havia fechado os textos que envolvem, por exemplo, criação de um novo imposto sobre pagamentos, reestruturação do Imposto de Renda e desoneração da folha de salários.

Antes mesmo do adiamento do evento no Planalto, técnicos do Ministério da Economia já afirmavam que ações na área de emprego, como o programa carteira de trabalho Verde e Amarela e a desoneração de encargos trabalhistas não seriam apresentados nesta terça.

Em outra frente do pacote, membros do ministério relatam dificuldade em fechar a carteira de obras públicas. A demanda de ministros estaria maior do que a disponibilidade de verbas.

O governo vinha preparando uma proposta ao Congresso para usar ao menos R$ 5 bilhões para obras hídricas ainda neste ano. O valor foi decidido após uma queda de braço de Guedes com outros ministros que defendiam a liberação de mais recursos.

Com a decisão, Guedes conseguiu barrar um programa mais amplo de gastos públicos e o chamado Pró-Brasil passou a ter foco em propostas de geração de renda, incentivo ao emprego e estímulo ao investimento privado.

Auxiliares presidenciais chegaram a defender que o evento fosse mantido nesta terça para tentar reverter o desgaste de imagem causado por declaração de Bolsonaro no domingo (23). O presidente ameaçou agredir um jornalista que perguntou sobre os depósitos feitos por Fabrício Queiroz à primeira-dama Michelle Bolsonaro.

A avaliação do presidente, no entanto, foi de que as propostas para a retomada econômica e reforço social são temas sensíveis para serem anunciados de forma apressada. A ideia de Bolsonaro é transformar as iniciativas em vitrines eleitorais de sua candidatura à reeleição em 2022.

Para esta terça, está mantido o anúncio da reformulação do programa Minha Casa Minha Vida, que originalmente já seria apresentado em um evento separado.

O governo afirma que novo programa, chamado de Casa Verde e Amarela, será mais amplo do que o antecessor pois contará com um programa de regularização fundiária para diminuir o déficit habitacional, além de incentivar reformas nas residências.

O objetivo será a regularização, a melhoria habitacional e a ampliação do acesso ao financiamento imobiliário no país. O governo quer baixar os juros do programa em relação ao praticado anteriormente e fala internamente em taxas de juros que variam conforme a renda.

No Senado, líderes da bancada governistas avaliam que o governo terá dificuldades para aprovar mudanças em programas da área social.

A principal resistência, na análise dos líderes, seria a possibilidade de uma extinção de programas como o Farmácia Popular e do seguro-defeso, pago a pescadores artesanais no período de reprodução dos peixes.

A ideia do governo é encerrar com esses programas para capitanear recursos para o Renda Brasil, que rebatizaria o Bolso Família, com encargos sociais mais baixos.

De acordo com o vice-líder do governo no Senado, Izalci Lucas (PSDB-DF), até mesmo os integrantes da base governista se mostram desconfortáveis com a ideia.

"Não vai ser fácil fazer as mudanças na área social, essa parte vai ser muito complicada aqui no Senado", disse o senador, que comandou na tarde desta segunda a reunião dos líderes governistas.​

Colaborou Iara Lemos

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas