Descrição de chapéu
Livros

Novo livro de Toni Morrison alerta aos perigos da cristalização do ressentimento

'Deus Ajude Essa Criança' mostra consequências de confusão pueril entre prazer, culpa e punição

Juliana Albuquerque

​​

Deus Ajude Essa Criança

  • Preço R$ 44,90 (168 págs.)
  • Autor Toni Morrison
  • Editora Companhia das Letras
  • Tradução José Rubens Siqueira


Em períodos de grave turbulência social como o que estamos a viver no Brasil —em que o ressentimento e o ódio parecem guiar as ações humanas— as expressões de empatia e tolerância causam tanta desconfiança como a imagem de uma pantera na neve: utilizada por Toni Morrison para descrever a personagem principal de “Deus Ajude Essa Criança”.

Vencedora do Nobel, Morrison é conhecida por textos que descrevem os obstáculos políticos e sociais enfrentados pela comunidade negra ao longo da história americana. Característica que levou o ex-presidente Barack Obama a reconhecer a importância da escritora como personalidade formadora da consciência nacional. 

uma mulher negra com fone de ouvido
A escritora americana Toni Morrison, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura no ano de 1993, em 2005 - Guillermo Arias/Associated Press

Entre os livros mais famosos de Toni Morrison temos “Amada”, que revela alguns dos principais traços de sua obra: um excelente romance histórico com elementos sobrenaturais, em que a memória e o sentimento de perda sugerem um questionamento sobre as consequências do racismo e da violência na vida de indivíduos e comunidades. 

Este mesmo questionamento é uma das chaves para “Deus Ajude Essa Criança”. Embora aqui Morrison deixe o passado de lado para focar nosso momento histórico. Conflitos familiares e geracionais servem como pano de fundo para estudarmos o impacto de dramas sociais —exploração sexual infantil e novas concepções de racismo. 

Na história, Lula Ann Bridewell é uma jovem negra cuja tez revelou-se muito escura durante o nascimento, ocasionando a separação dos pais de pele mais clara e a indiferença de sua mãe, para quem amamentar a filha recém-nascida “era como botar uma macaquinha chupando minha teta”.

É a tentativa desesperada de receber o carinho materno que faz a pequena Lula Ann depor contra uma mulher inocente em um escândalo de pedofilia.  

As consequências da confusão pueril entre prazer, culpa e punição são sentidas no desenvolvimento emocional da personagem. No caso específico de Lula Ann, a narrativa nos oferece informações para acreditarmos que ela passou a maior parte da sua vida adulta oprimida pelos traumas das experiências de abandono paterno e de rejeição materna.

É nesse sentido que a ambição profissional da jovem na indústria da beleza é alimentada pela sua necessidade de se sentir admitida pelos outros em sua negritude, embora ela não consiga se aceitar. 

O desenvolvimento de uma bagagem afetiva necessária ao autoconhecimento é a chave para compreendermos o que acontece com ela. Isso fica claro em seu reencontro com Booker, o ex-namorado músico e intelectual, outra personagem cujo amadurecimento emocional padece do traumático apego pelo irmão morto: vítima de abuso sexual e assassinato. 

Morrison nos alerta para os perigos da cristalização do trauma e do ressentimento. A mensagem deste romance para os brasileiros é urgente. A empatia e a tolerância são frutos do autoconhecimento.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.