Descrição de chapéu The New York Times

Colecionador de arte americano é comprador misterioso de Caravaggio

A obra 'Judite e Holofernes', descoberta em um sótão, foi vendida antes de leilão

Robin Pogrebin
The New York Times

O colecionador de arte e bilionário americano J. Tomilson Hill é o comprador misterioso de uma pintura de autoria de Caravaggio, que havia sido descoberta há cinco anos em um sótão francês.

O quadro "Judite e Holofernes" data de 1607 e retrata a heroína bíblica Judite decapitando o general assírio Holofernes. A obra é controversa porque, embora diversos especialistas a atribuem ao pintor italiano, outros põem em dúvida sua autenticidade.

Se for mesmo verdadeira, se tornaria uma das seis pinturas de Caravaggio em coleção privada.

O leilão de "Judite e Holofernes" havia sido marcado para quinta-feira (27) na cidade francesa de Toulouse e estava estimada em € 150 milhões, o maior preço de leilão de qualquer obra de arte na Europa. 

Na terça (25), contudo, a casa de leilões Marc Labarbe anunciou que o quadro havia sido vendido diretamente para um colecionador fora da França e o leilão foi cancelado.

Hill serve ao conselho do Museu Metropolitan, em Nova York. Em fevereiro, abriu seu próprio museu privado, Hill Art Foundation, no bairro do Chelsea. A primeira mostra expôs obras do artista contemporâneo Christopher Wool —o colecionador tem 14 pinturas do artista.

A obra foi encontrada em 2014 pelos proprietários de uma casa em Toulouse enquanto eles investigavam um vazamento no sótão.

Após ser mantida no local por pelo menos cem anos, passou por análises exaustivas e inicialmente secretas para que sua autenticidade fosse conferida e está, surpreendentemente, em boas condições, segundo especialistas. 

A primeira pintura de Caravaggio a retratar a decapitação de Holofernes por Judite data de aproximadamente 1600 e está em exibição no Palácio Barberini, em Roma.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.