Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/04/2012 - 07h28

Falta de verba ameaça realização de fórum paralelo à Eco-92

Publicidade

ALEXANDRE POLLARA DOS SANTOS
DANILO JANÚNCIO
DO BANCO DE DADOS

Folha, 17.abr.1992 - O coordenador do Fórum Global, Anthony Gross, fez ontem um apelo aos países ricos para evitar o fracasso do encontro de ONGs (Organização Não Governamental), previsto para acontecer paralelamente à Eco-92.

O objetivo do Fórum é reunir diversas entidades, mas ele corre o risco de não acontecer por falta de dinheiro.

Até o último dia 14, a coordenação do evento já tinha feito 10.250 inscrições, representando 2.202 entidades de 112 países.

O objetivo de Gross é conseguir a ajuda que não foi obtida no Brasil. Segundo ele, foi pedido, "sem nenhum sucesso", patrocínio a 40 empresas privadas e 13 estatais.

Ainda faltam US$ 7 milhões dos US$ 10 milhões previstos no orçamento. Os diplomatas estrangeiros prometeram consultar seus governos para uma possível ajuda.

O deputado Fábio Feldman (PSDB-SP) enviou carta ao presidente Fernando Collor de Mello na qual fala das dificuldades dos organizadores. Para ele, o governo teme que as discussões do Fórum Global poderiam extrapolar os temas ambientais para críticas internas de caráter social e econômico.

O secretário interino do Meio Ambiente, José Goldemberg, afirmou que não há hostilidade ao Fórum Global por parte do governo.

*

MUNDO

A Líbia começou ontem a expulsar diplomatas estrangeiros de 11 países, inclusive do Brasil, em represália ao embargo aéreo e militar decidido pelas Nações Unidas.

A rádio estatal líbia informou que diplomatas de Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Suécia, Bélgica, Tcheco-Eslováquia, Japão, Brasil, Espanha e Hungria foram ou devem ser expulsos.

A medida foi tomada "em base de reciprocidade", pois esses países adotaram igual providência em relação aos líbios. O Brasil decidiu anteontem expulsar os dois diplomatas líbios.

As sanções da ONU (Organização das Nações Unidas) visam pressionar a Líbia a entregar dois suspeitos de explodir um avião da Pan Am sobre a Escócia, em 1988, e de permitir o interrogatório de suspeitos da explosão de um avião francês sobre o Níger, em 1989. Os dois atentandos deixaram 441 mortos.

*

COTIDIANO

Apesar do protesto de ecologistas, a cidade de Barra do Sul, em Santa Catarina, recebeu 25 bois bravos do Paraná para a Farra do Boi, tradicional evento com sacrifício de animais na Semana Santa. A festa de origem açoriana existe há 200 anos na região.

O governo de Santa Catarina informou que não vai reprimir os participantes, mas deve proibir violências contra os animais e limitar os cercados onde os bois são esgotados fisicamente antes de serem mortos e comidos pelos donos.

Em nota, a Associação Catarinense de Proteção dos Animais condenou o evento, por considerá-lo "uma covardia contra os animais", e provocou um movimetno nacional de protesto.

Os 25 bois são apenas uma pequena parte dos que serão mortos neste fim de semana. Em Navegantes, Governador Celso Ramos e na periferia de Florianópolis, a festa ainda é mais popular.

Vidal Cavalcante-1ºabr.1988/Folhapress
Pescadores usam gancho para tirar boi do mar durante a farra, que ocorre na Páscoa em Santa Catarina
Pescadores usam gancho para tirar boi do mar durante a farra, que ocorre na Páscoa em Santa Catarina

*

MERCADO

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho, afirmou ontem, durante assembleias no portão da Volkswagen, que a greve não está descartada, caso as montadoras reajustem os preços de carros antes do final do mês.

Existe a expectativa de que as montadoras aumentem os preços dos veículos nas próximas semanas, o que quebraria o "acordo dos carros", realizado no mês passado entre governo, montadora e trabalhadores.

Pelo "acordo", o preço dos carros foi reduzido em 22%. Um dos itens prevê também que as montadoras só devem reajustar os preços em caso de crescimento nos custos de produção.

Segundo o sindicato, cerca de 10 mil trabalhadores participaram das assembleias realizadas às 6h, às 7h e às 15h30.

*

ESPORTE

Mesmo suspenso por 15 meses devido a doping, Diego Maradona fez dois gols durante jogo amistoso entre dois times formados por jogadores de clubes argentinos.

A partida foi em benefício da família do jogador Juan Gilberto Funes, que morreu no ano passado. A participação de Maradona no jogo foi um desafio dele e de alguns dos principais jogadores argentinos à Fifa.

No dia do jogo, a entidade comunicou a AFA (Federação Argentina de Futebol) ameaçando punir os jogadores que atuassem ao lado dele. O Sindicato os Jogadores da Argentina anunciou que, caso alguém seja suspenso, haverá greve geral.

Ao lado de Ruggeri, capitão da seleção argentina, Maradona teve a ideia de realizar o jogo. Os jogadores decidiram então desafiar a Fifa, o que irritou dirigentes.

O time de Maradona venceu por 5 a 2 e US$ 110 mil foram arrecadados (10 mil espectadores). Maradona não poupou críticas à Fifa. "Quando João Havelange [presidente da Fifa] morrer, a Argentina não vai ficar triste", ironizou.

*

Eder Chiodetto-18.abr.1992/Folhapress
Os atores Luís Melo e Samantha Monteiro em encenação de "Trono de Sangue", livre adaptação do diretor Antunes Filho
Os atores Luís Melo e Samantha Monteiro, em encenação de "Trono de Sangue", livre adaptação do diretor Antunes Filho

CULTURA

Duas montagens concorrentes de "Macbeth", a peça maldita de William Shakeaspere, entram em conflito nos palcos de São Paulo. O embate é entre o ator Antônio Fagundes e o diretor Antunes Filho.

Fagundes fica em cartaz até 31 de maio no teatro Arthur Rubinstein como "Macbeth", e Antunes rebatiza a peça como "Trono de Sangue", com estreia prevista para o dia 15 de maio no teatro Sesc Anchieta.

Para Antunes, "essa história de democratizar a arte dramática é papo furado". Fagundes não respondeu à provocação e preferiu contra-atacar no "Show da Manhã", da rádio Joven Pan. O ator recusou-se a falar de seus próximos projetos teatrais porque alguém poderia roubar novamente a ideia.

Gal Oppido/Divulgação
O ator Antonio Fagundes encena a peça escocesa "Macbeth", de Shakespeare
O ator Antonio Fagundes encena a peça escocesa "Macbeth"

Não é a primeira vez que a peça escocesa dá problema. Em Nova York, em maio de 1849, "Macbeth" esteve em cartaz com um espetáculo popular e o outro aristocrático.

Nos EUA, o conflito ocorreu entre os atores Edwin Forest, norte-americano, e William Macready, inglês.

Ao contrário da disputa entre Fagundes e Antunes, o saldo da rusga americana provocou 22 mortes e mais de cem feridos, depois que partidários de Forest atacaram o teatro em que iria estrear a peça de Macready.

*

FRASE

"Quando João Havelange [presidente da Fifa] morrer, a Argentina não vai ficar triste"

DIEGO MARADONA,
afastado dos campos por doping, depois que a Fifa ameaçou suspender jogadores que atuassem ao seu lado em partida benefeciente na Argentina

*

Leia mais no Acervo Folha

VOCÊ SABIA?

Durante a Eco-92, na tenda 11 do Aterro do Flamengo, concentrou-se a sede do Planeta Fêmea.

Ali eram discutidos temas ambientais, pauta da Eco-92, e outros assuntos pertinentes à experiência feminina, como as propostas de planejamento familiar elaboradas pelos países desenvolvidos e a violência contra a mulher.

Comentar esta reportagem

Termos e condições

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página