Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/03/2009 - 13h40

Diretores do Senado permanecerão nos cargos até análise da atuação de cada um

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

Os 136 diretores do Senado que foram obrigados a colocar os cargos à disposição pelo presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), vão permanecer nas suas funções até que a instituição analise a atuação individual de cada um.

A expectativa do senador Heráclito Fortes (DEM-PI), primeiro-secretário do Senado, é que as mudanças ocorram "o mais rápido possível" --mas não há prazo para o efetivo afastamento dos diretores.

"Estamos tentando definir qual a função de cada diretor, uma vez que alguns estão no cargo em virtude da função gratificada, mas não exercem qualquer função de direção", afirmou o democrata.

Durante reunião da Mesa Diretora do Senado realizada nesta quarta-feira, os parlamentares decidiram aguardar o levantamento que será realizado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) sobre problemas estruturais no Senado antes de exonerar oficialmente todos os diretores.

A expectativa é que pelo menos a metade dos 136 diretores deixem suas funções, mas o comando do Senado pretende manter aqueles que respondam aos interesses da instituição. Alguns diretores do Senado chegam a receber salários da ordem de R$ 18 mil, além de gratificações em torno de R$ 2.000 pelos cargos de chefia.

A Mesa Diretora também decidiu reduzir o número de servidores terceirizados que prestam serviços à Casa Legislativa --depois da denúncia de que pelo menos 90% dos terceirizados têm parentesco com servidores do Senado.

Heráclito disse que o Senado deve convocar cerca de 60 novos servidores aprovados em concurso para substituir os comissionados. A intenção do Senado, segundo Heráclito, é enxugar o número de terceirizados.

Horas extras

A Mesa Diretora do Senado também decidiu hoje limitar o número de servidores da Casa que vão receber horas extras --depois de denúncia da Folha de que pelo menos 3.000 funcionários receberam extras por trabalhos realizados durante o recesso parlamentar do Congresso.

Cada gabinete ou setor deverá permitir que, no máximo, seis funcionários cumpram horas extras no Senado. Heráclito explicou que a ideia da Mesa é criar uma espécie de "rodízio" entre os servidores para evitar que muitos trabalhem além do horário normal de expediente --o que encarece os gastos da Casa.

Comentários dos leitores
Carlos Franco Franco (464) 14/05/2009 10h08
Carlos Franco Franco (464) 14/05/2009 10h08
Na decada dos anos entre 70 e 80, trabalhei em varias empresas privadas, assumindo a Chefia do Setor Pessoal, e naquela epoca a informatização computadorizada, não era lá esta evolução que hoje temos, e as empresas pagavam horas extras a seus funcionários que não eram poucos, e o setor de processamento de dados, funcionava uma maravilha, nos fechamentos, e pagamos corretamente as horas extras, e hoje com oa modernização, no senado federal não funciona, ou não existe criterios para pagamentos? paga-se a migué, sem controles e honestidade, mais respeito, falta é respeito com as verbas publicas, e o PRODASEN, para que serve? conheço cidades do nosso pais onde existe o PRODEBs e funcionam todos estaduais ou municipais. ou acho que os funcionários que atuam nesta area no senado ou camara são afilhados politicos, que nada entendem, desconhece o sistema ou programas de computação. vergonha. sem opinião
avalie fechar
Carlos Franco Franco (464) 13/05/2009 15h58
Carlos Franco Franco (464) 13/05/2009 15h58
Acho até engraçado, nas empresas privadas que se pagam horas extras, funciona tudo bem, agora no senado federal não funciona? é tanta maracutaia, que não acertam nem horas extras a serem calculadas, este é o senado federal. só batendo palmas. 1 opinião
avalie fechar
Alcides Emanuelli (1139) 18/03/2009 19h17
Alcides Emanuelli (1139) 18/03/2009 19h17
O Lauro teve palavras inteligentes e coerentes, sobre o Senado.
E a pergunta que fica é para que o Senado!
Se o Senado não tem uma função especifica a não ser aprovar ou não os projetos que passem pela camera dos Deputados que tem a função de legislar, eles ou moralizam a casa com uma reestruturação administrativa urgente ou devemos fechar essa casa da desgraça para o dinheiro do povo brasileiro.
Mas agora com o Sarney parece que vai ser diferente, realmente só parece!
Tudo começou com seriedade e preocupação da parte do atual Presidente, medidas de austeridade sendo tomadas ou pensando em tomar e estudos para reestruturação da casa, mas parece que já estão amolecendo, se todos viviam nesse trem fantastico da alegria da festa e corrupção, eles tem que sair e dar lugar a pessoas sérias e competentes alem de honesta para valorizar o Senado, para reesgatar o verdadeiro valor do Senado.
6 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (79)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página