Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/07/2005 - 08h55

PT trabalha com caixa-dois, afirma Delúbio Soares

Publicidade

da Folha Online

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares afirmou que todas as campanhas do Partido dos Trabalhadores foram financiadas por meio de caixa-dois, informa a colunista Mônica Bergamo, em reportagem publicada neste sábado na Folha de S.Paulo.

As afirmações foram feitas em depoimento espontâneo ao procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza. Delúbio decidiu falar depois que o empresário Marcos Valério, apontado como um dos operadores do "mensalão", revelou a existência dos empréstimos ao depor na Procuradoria.
EFE
Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, admite fazer caixa dois


Em seu depoimento, Delúbio afirmou ainda que boa parte do dinheiro foi obtida por empréstimos feitos por Valério, que repassava os recursos para o PT. De acordo com o ex-tesoureiro petista, isso comprovaria que não houve utilização de recursos públicos ou superfaturamento de contratos de estatais --segundo ele, se assim fosse, o PT não precisaria pagar juros bancários.

Delúbio não especificou os candidatos do PT que receberam dinheiro clandestino em suas campanhas, mas deixou claro que foram "todos".

Ele isentou apenas a campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002. Para Delúbio, a candidatura Lula na ocasião era tão forte que havia muita doação regular e espontânea de dinheiro.

Para o ex-tesoureiro, a prática de caixa-dois é generalizada no país e adotada por todos os partidos.

Nota

Marcos Valério divulgou nesta sexta-feira (15) uma nota na qual afirma que contraiu empréstimos "perfeitamente legais" e "transparentes" para financiar dívidas do PT.

Segundo o publicitário, ele capitalizava o partido a pedido do então tesoureiro do PT, Delúbio Soares.

Valério, no entanto, negou novamente que fazia caixa-dois para o "mensalão", o susposto esquema de pagamento de mesadas a congressistas aliados do governo. O PT ainda não se pronunciou sobre as novas declarações do publicitário.

Na nota, o publicitário afirma que todas as transações foram feitas dentro da legalidade.

"Todos os pedidos de socorro financeiro feitos pelo senhor Delúbio Soares baseavam-se, de acordo com o próprio secretário do PT, na necessidade de saldar dívidas relacionadas a campanhas eleitorais", informa a nota.

Tentativa de acordo

Também nesta sexta-feira, Valério propôs ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, passar informações para colaborar com as investigações em troca de benefícios em uma eventual ação penal.

O procurador, no entanto, recusou a proposta. No encontro, solicitado por Valério, o procurador-geral recebeu documentos e explicações sobre as empresas dele --DNA e SMPB.

A CPI dos Correios, criada para investigar denúncias de irregularidades na estatal, aprovou os requerimentos de quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de funcionários das empresas de Valério, das empresas e de seus sócios.

Valério também será reconvocado para prestar esclarecimentos sobre as informações que surgiram nas últimas semanas e à luz dos novos documentos que chegaram à comissão.

Leia mais
  • Entenda o "mensalão"
  • Entenda a ligação entre Marcos Valério e as denúncias de Jefferson

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Marcos Valério
  • Leia a cobertura completa sobre o "mensalão"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página