Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/01/2007 - 10h17

Governo quer "máquina de camisinha" nas escolas

Publicidade

LUCIANA CONSTANTINO
da Folha de S.Paulo, em Brasília

Escolas públicas que desenvolvem programas de prevenção e de saúde reprodutiva ganharão um novo instrumento para que o jovem tenha acesso gratuito a preservativos --um equipamento de distribuição de camisinhas no estilo "máquina de refrigerantes".

Para isso, os ministérios da Saúde e da Educação iniciaram concurso entre os Cefets (Centros Federais de Educação Tecnológica) que incentiva a criação de um protótipo da máquina, que forneceria o preservativo na embalagem unitária.

A forma de acesso --fichas distribuídas na escola, senha ou outra maneira-- deve ser definida em projeto pedagógico que acompanhará o protótipo.

Até junho, o governo espera receber as propostas. Quer ter equipamentos prontos para testes em 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta contra a Aids. O custo do programa dependerá do protótipo escolhido.

Segundo o Censo Escolar 2005, cerca de 98 mil escolas têm ações contra DST/Aids. Dessas, 17% dos estabelecimentos de ensino médio e 9% do fundamental distribuem preservativos gratuitamente.

O secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC, Ricardo Henriques, diz que a idéia está ligada à escolha individual dos adolescentes. "Há uma rediscussão da educação sexual. Para que os jovens tenham direito ao exercício da escolha, é preciso oferecer acesso a informações e instrumentos de prevenção. Por isso a idéia de colocar a camisinha na escola."

Pesquisa da Unesco em pouco mais de cem escolas brasileiras aponta que 63% dos pais entrevistados consideraram "legal" a idéia de disponibilizar preservativos aos adolescentes.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a Aids

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página