Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/06/2001 - 07h21

Florianópolis é a capital com menor índice de mortalidade infantil

Publicidade

JAIRO MARQUES
da Agência Folha

Florianópolis (SC) é a primeira e única capital brasileira a conseguir baixar a um dígito a taxa de mortalidade infantil, igualando o índice aos apontados em países do Primeiro Mundo. O resultado, segundo os órgãos de saúde, é fruto da prioridade absoluta aos programas de atendimento à gestante e ao recém-nascido.

De 1996 a 2001, a mortalidade de crianças de 0 a 1 ano na capital catarinense caiu de 21,6 por 1.000 nascidos vivos para 8,8 por 1.000, segundo a Secretaria Municipal da Saúde, dado ratificado pelo Ministério da Saúde.

"É sem dúvida um resultado fantástico ocasionado por um trabalho em equipe e atenção total à gestante e ao bebê", disse Ana Goretti Kalume Maranhão, coordenadora do Programa de Saúde da Criança, do Ministério da Saúde.

O projeto Capital Criança, tocado pela Prefeitura de Florianópolis, consiste basicamente no acompanhamento sistemático da gestante e do bebê, na garantia nutricional da criança e no controle das vacinas.
Praticamente 100% das mulheres grávidas da cidade são orientadas e supervisionadas por 600 agentes de saúde.

"O que fazemos é a otimização do que o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece. A contrapartida da prefeitura é igual a das outras cidades. Não há segredos", disse Manoel Américo Barros Filho, secretário municipal da Saúde.

Toda gestante da cidade tem direito a uma consulta mensal ao
ginecologista, uma consulta com um pediatra, um exame de ultra-sonografia, parto em hospital público e uma visita à maternidade.

Mulheres portadoras do HIV ganham cesta básica e acompanhamento especial. Também há atividades educativas e psicoterapia para as futuras mães.

"Quando a mulher chega ao posto com atraso menstrual, imediatamente nós a encaminhamos para fazer o exame de gravidez", afirmou Rita de Cássia Almeida Coelho, da coordenação do programa Capital Criança.

O demógrafo Celso Simões, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), disse que, levando em conta os procedimentos demográficos, a queda da mortalidade infantil em Florianópolis teve uma velocidade muito acentuada. "Eu não coloco em dúvida o número e acredito que haja bons programas no município para combater a mortalidade. Mas é preciso estudar se o controle dos dados é rígido e se os métodos de medição estão dentro de padrões adequados".

Maceió (AL) é a capital brasileira com o pior índice de mortalidade em crianças de 0 a 1 ano -47,2 mortes por mil nascidos vivos.

Kit
Ao nascer, os bebês florianopolitanos ganham um kit com álcool a 70%, gaze, creme para assadura, termômetro e certificado de boas-vindas. É tirada ainda uma foto do recém-nascido, que será entregue à mãe, que é informada sobre a hora e a data da primeira consulta médica do bebê a um pediatra.

"Pensamos na idéia da foto porque é comprovado que a criança que não conhece sua imagem quando bebê pode apresentar problemas emocionais", disse o secretário Barros Filho.

Os bebês têm consultas com pediatras mensalmente. Agentes de saúde fazem controle em relação à nutrição e à vacinação. Crianças desnutridas recebem leite e cestas básicas feitas por nutricionistas.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página