Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/01/2008 - 10h51

Polícia identifica detentos mortos em incêndio em Rio Piracicaba (MG)

Publicidade

da Folha Online

Os nomes dos oito detentos da cadeia pública da cidade de Rio Piracicaba (127 km a leste de Belo Horizonte-MG) que morreram asfixiados em um incêndio, na noite de ontem (1º), foram divulgados pela Polícia Civil nesta quarta-feira.

Trata-se de Anderson Dorneles dos Santos, 23, condenado por furto; Donizete Gomes, 41, condenado por tráfico de drogas; Everson Barbosa Ferreira, 18, suspeito de tráfico; Jaider Martins, 21, suspeito de tráfico; Juarez de Jesus Santos, 28, condenado por furto; Marlon Fernandes, 24, condenado por tentativa de homicídio; Raimundo Anastácio de Moura, 35, condenado por furto; Rodrigo Luciano dos Santos, 18, suspeito de tráfico.

De acordo com a Polícia Civil, o grupo estava na cela 1 da cadeia quando o fogo começou, pouco após as 20h. O laudo que apontará a origem das chamas deve ser concluído nos próximos dias. Os corpos foram para o IML (Instituto Médico Legal) de Belo Horizonte.

Sete detentos e o PM responsável pela guarda da área externa da cadeia no momento do incêndio foram ouvidos. Conforme dados preliminares, o PM havia advertido os presos para que apagassem uma pequena chama, perto de uma das camas, e acionou um outro PM e o carcereiro quando percebeu que a o fogo havia aumentado.

O incêndio, ainda de acordo com a Polícia Civil, se alastrou rapidamente, e não foi possível abrir a porta da cela. Os PMs, então, abriram um buraco na parede dos fundos da unidade, mas os presos morreram antes, asfixiados no banheiro. Um caminhão-pipa de prefeitura foi ao local apagar o incêndio, mas não conseguiu evitar as mortes.

No momento do incêndio havia 22 presos, sendo dois albergados, nas quatro celas da cadeia. Originalmente, a cadeia tem capacidade para abrigar apenas 18 presos. O Ministério Público de Minas move uma ação civil pública contra a cadeia, devido à má situação. A cadeia de Rio Piracicaba estava nos planos de reformas da Polícia Civil para este ano.

Sete dos presos que sobreviveram ao incêndio foram transferidos ainda na noite de ontem para João Monlevade e outros sete, para o albergue de Rio Piracicaba.

Todos os procedimentos de liberação dos corpos dos presos e os enterros serão custeados pelo governo de Minas.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página