Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/07/2008 - 20h17

Polícia do Rio e DF desarticulam quadrilha que fraudavam vendas pela internet

Publicidade

da Folha Online

Três homens e uma mulher suspeitos de integrar uma quadrilha que fraudaram uma empresa de venda de eletrodomésticos, pela internet, foram presos nesta segunda-feira, em Brasília, durante uma operação conjunta dos policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), do Rio, e da 17ª Delegacia de Polícia do Distrito Federal.

O grupo é suspeito de atuar em Minas Gerais, Brasília, Goiás e Tocantins e chegou a comprar, de maneira fraudulenta, mais de 1.500 itens, causando prejuízo de pelo menos R$ 300 mil à empresa.

De acordo com o delegado Antenor Martins, a quadrilha descobriu uma falha no sistema de segurança de compra informatizada da empresa e simulava o pagamento da mercadoria.
Dois caminhões foram apreendidos com dezenas de eletrodomésticos. O suspeito de liderar a quadrilha, o empresário Pablo Dornelas Ribeiro, 29, foi preso na manhã de hoje, em seu apartamento, em Águas Claras, região de classe média alta, no Distrito Federal.

Apontados como cúmplices, o farmacêutico Valberlane Lopes Dornelas Ribeiro, 29, o professor de Educação Física José Marcos Fereira, 29, e a fisioterapeuta Lidiane Lopes Dornelas, 26, também foram presos em Brasília. Outros dez integrantes do grupo estão sendo investigados, segundo a polícia do Rio.

O delegado Martins explicou que as investigações começaram no Rio a partir da denúncia de fraude feita na empresa, no Rio. Os policiais da DRCI estão em Brasília desde a quarta-feira (9).

Segundo o delegado, após a descoberta da falha do sistema de segurança da empresa, os criminosos faziam compras dos eletrodomésticos pela internet. Em seguida, o bando gerava boleto bancário com valor inferior ao do pedido. Ele exemplificou que a quadrilha encomendava uma mercadoria no valor de R$ 1.900, e gerava o boleto com o valor de R$ 1,90. O banco aceitava o pagamento, pois a quadrilha havia adulterado o código de barra.

A fraude foi descoberta pela empresa quando desconfiaram dos valores que estavam sendo depositados na sua conta, o que não correspondia com os preços de suas mercadorias. Os integrantes da quadrilha tiveram suas prisões decretadas pela Justiça, que também expediu mandados de buscas às casas dos suspeitos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página