Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/08/2004 - 02h58

Fundação cria pátio que areja favela do Rio

Publicidade

SERGIO TORRES
da Folha de S.Paulo, no Rio

Um pátio nos moldes medievais, que criou uma espécie de clareira na superpovoada favela do Jacarezinho, zona norte do Rio, é a principal novidade do projeto Célula Urbana, desenvolvido pela prefeitura carioca em parceria com a histórica Fundação Bauhaus-Dessau, da Alemanha.

O resultado de cinco anos de ação da Bauhaus no Jacarezinho será conhecido amanhã, quando se festeja o início das atividades do prédio de quatro andares projetado por arquitetos alemães e brasileiros. Ao lado do prédio fica o pátio; em frente, a reurbanizada praça da Concórdia.

Desde 1999, técnicos da Bauhaus e da prefeitura estudam em conjunto a situação do aglomerado urbano com cerca de 60 mil habitantes.

A Fundação Bauhaus foi criada sem fins lucrativos em 1994 para preservar o legado da escola Bauhaus. Base do modernismo que, desde a criação da escola, em 1919, passou a vigorar na arquitetura e nas linhas de produtos industriais, a Bauhaus preconiza a simplicidade nos projetos.

Na favela, quase toda plana, casas e barracos se sobrepõem, chegando a atingir 25 m de altura. As ligações são corredores estreitos e poucas ruas de trânsito caótico.

Em conseqüência disso, há áreas em que a luz do sol não chega e em que inexiste ventilação. Essa situação tornou o Jacarezinho a comunidade campeã em doenças pulmonares na região metropolitana do Rio.

Após a análise da situação, os enviados da Bauhaus decidiram, com os especialistas do Célula Urbana --projeto de intervenções urbanísticas nas favelas--, arejar a comunidade.

Coordenadora do Célula Urbana, a arquiteta Lu Petersen conta que, para a abertura do pátio, de cerca de 1.500 m2, as construções que abrigavam 48 famílias foram derrubadas e as cerca de 180 pessoas, transferidas para outros locais da favela.

Depois da abertura da "clareira", os vizinhos fizeram o que passaram décadas sem poder fazer: abriram janelas e basculantes voltadas para o pátio.

Especial
  • Veja o que já foi publicado sobre a Fundação Bauhaus Dessau
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página