Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Mundo

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Polícia indiana prende suspeito por estupro de menina de 5 anos

Caso gerou protestos no país, que sofre onda de crimes sexuais

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

A polícia indiana deteve ontem um homem suspeito de estuprar brutalmente, durante dois dias, uma menina de cinco anos que está hospitalizada. O caso gerou grandes protestos no país.

O acusado de 24 anos havia fugido de Nova Déli, cidade onde ocorreu o crime e para onde foi levado após a captura. Um juiz ordenou que o homem seja mantido sob custódia da polícia.

A menina que foi vítima da agressão sexual havia desaparecido na segunda-feira. Sua família a descobriu dois dias depois, na casa de um morador do mesmo edifício, ao ouvir seus gritos.

O suspeito agrediu a menina em repetidas ocasiões e utilizou objetos como garrafas e velas, além de ter mantido sua vítima sem alimentos ou água durante os dois dias de sequestro.

Dezenas de pessoas se concentraram em frente ao hospital em que a garota está internada para protestar pelo crime e exigir que as autoridades façam justiça.

O superintendente médico do hospital disse que a menina sofreu graves lesões internas e cortes, e tem marcas de mordida no rosto e torso. Ele descreveu o caso da menina como "sério" e explicou que os médicos estavam tentando estabilizar sua condição.

Ativistas de direitos humanos e autoridades disseram que a polícia indiana rejeitou a denúncia inicialmente e pediu à família da menina que não informasse o caso à imprensa em troca de 2 mil rúpias (R$ 70) --a polícia não comentou as acusações.

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, emitiu um comunicado no qual censurou a atuação policial, "completamente inaceitável", e garantiu "completa assistência" à menina.

O episódio ocorre quatro meses após o estupro e a morte de uma mulher dentro de um ônibus no país, fato que provocou indignação em toda a Índia e estimulou o governo a aprovar leis duras para crimes contra as mulheres.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página