Eleita melhor marca de turismo, CVC embarca cerca de cem aviões por dia com seus viajantes

Melhor marca de turismo: 36%
Agência de viagem on-line: 19%

Vamos viajar em números, muitos números. O ano era o de 1972, quando se expandia e se concentrava a indústria na Grande São Paulo, na época do chamado "milagre econômico". Em Santo André, a rua Cesário Motta era uma vitrine do boom econômico: agências bancárias, redes de lojas, pedestres dispostos a gastar.

O número 468 exibia uma placa, que ficava bem acima da porta de entrada e praticamente encobria a fachada da pequena agência de viagens. Nela, três letras na vertical, as iniciais de seu fundador, deixavam espaço para as marcas famosíssimas das companhias aéreas de então: Varig, Cruzeiro, Transbrasil, Vasp. Afinal de contas, voar, naqueles tempos, era mais que um luxo.

Enquanto as quatro empresas ficaram no passado, a lojinha não parou de crescer. Assistiu à derrocada não só das aéreas como também de inúmeros concorrentes.

Levando gente para passear —primeiramente metalúrgicos do ABC que iam de ônibus para a praia, depois diferentes classes trabalhadoras para qualquer canto do mundo—, foi ganhando cada vez mais terreno. As três letrinhas tornaram-se, então, gigantescas: CVC.

Só no ano passado, ela pôs para voar e também andar de ônibus seis vezes a população inteira de sua terra natal, Santo André, quase 4 milhões de passageiros. Enquanto você lê este texto, cerca de cem aviões estão cruzando os céus do Brasil com passageiros dela. Seja para relaxar numa praia, seja para fazer um intercâmbio em sete idiomas, seja para uma viagem de negócios, todo santo dia 14 mil passageiros estão com a CVC.

Para atender a essa multidão, são gerados cerca de 500 mil empregos indiretos, de guias a motoristas, de garçons a camareiras.

Mesmo em tempos bicudos, abre a cada três dias um novo ponto onde é possível visualizar as três letras azuis, que descansam sobre um círculo amarelo ao fundo. O faturamento gira na casa dos R$ 5,5 bilhões.

Neste ano, a marca deve reservar 4,6 milhões de diárias em hotéis e resorts por todo o globo terrestre. De cada dez passageiros que entram em suas 1.136 lojas franqueadas ou nas 6.500 agências multimarcas em 430 municípios do país, sete saem com "viagens customizadas", ou seja, organizadas do seu jeito.

A maioria deles (65%) opta por destinos nacionais, que, em si, constituem um vasto cardápio. De modo geral, a agência oferece em torno de mil lugares aqui e acolá: da festiva Porto Seguro (BA) à badalada Bancoc, na budista Tailândia.

A política da operadora segue a mesma cartilha de 45 anos atrás: para tornar o sonho da viagem possível, a compra pode ser parcelada em até 12 vezes. Para quem começou com as tradicionais excursões de fim de semana —além das praias, Barra Bonita e Campos do Jordão—, a CVC, a julgar pelo andar da carruagem, breve, breve deve chegar à Lua!

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  1. 27/01/2018
    1. Tambor de crioula dita o ritmo carnavalesco de São Luís, no Maranhão

      São Luís é pura surpresa. Fora do circuito mais visitado do litoral nordestino, sem muita publicidade, cada imagem surge fresca diante dos olhos. E fica quase impossível passear pelo centro histórico sem pensar: "como eu não sabia que isso existia?".

    2. Belo Horizonte é destino recente de Carnaval, mas nem por isso menos cobiçado

      Até pouco tempo atrás, a capital mineira costumava ficar vazia no Carnaval. Mas, assim como ocorreu com São Paulo, o ressurgimento dos blocos de rua fez com que Belo Horizonte passasse a ocupar posição de destaque entre os principais destinos de foliões.

    3. Araras são 'despertadores' no Pantanal, uma das regiões mais selvagens do mundo

      Ainda não são 6h da manhã, e você desperta com uma orquestra de cantos dos mais variados pássaros. Ainda sonolento, tenta conferir se de fato o dia nasceu. Abre lentamente a cortina da janela e, para sua surpresa, os raios solares estão apenas começando a vir à tona. A menos de cinco passos dali, um jacaré assiste incólume ao espetáculo.

    4. Tradição do frevo e do maracatu grita alto nas ruas e ladeiras de Recife e Olinda

      É só no meio da rua, pertinho da orquestra, sem pulseirinhas VIP e bem longe dos ambientes refrigerados, que se entende o frevo, o maracatu e a essência da folia no Recife e em Olinda. A programação oficial da festa é um exercício angustiante -é interminável a lista de atrações e horários. Tem festa para quem gosta da tradição do Homem da Meia-Noite, os que preferem a muvuca do Galo da Madrugada, o frevo do Escuta Levino ou os caboclos de lança do maracatu rural da Zona da Mata. Pensando nisso, confira um guia para encontrar o "seu bloco" no meio da folia.

    5. Cenográfica, Rio-Santos percorre praias, mata atlântica, cachoeiras e cidades históricas

      À medida que o carro avança, árvores tentam engolir o asfalto e criam um túnel verde que faz lembrar estradinhas perdidas no tempo. O mar azul dá o toque final. Mas logo uma placa no acostamento quebra o cenário de contos de fadas: ali, vende-se peixe frito com pimenta e farofa.

    6. Entre Porto Seguro e Trancoso, Arraial d'Ajuda é um convite para relaxar em meio à folia

      Em questão de segundos, a corrente de ar quente nordestina abraça os passageiros que acabaram de descer do avião no aeroporto de Porto Seguro.

    7. Revista sãopaulo elege as dez melhores fotos de viagens dos leitores

      Para compor o especial Viaja sãopaulo, a revista sãopaulo convidou os leitores para publicar fotos com a hashtag #viajasaopaulo em suas redes sociais. Veja as melhores imagens eleitas pela revista de lugares como a Califórnia, nos EUA, Chapada Diamantina, na Bahia, e Dellol, na Etiópia, entre outros.

    8. Roteiro de A a Z sobre Manaus destaca sabores, atrações e lendas da cidade amazônica

      Do rio Amazonas à zona franca, viaje de A a Z por sabores, atrações e lendas da cidade amazônica.

    9. Ao lado do Recife, Cabo de Santo Agostinho conta com praias de água turquesa

      Indecisos têm um prato cheio em Cabo de Santo Agostinho, no litoral sul pernambucano. O pequeno município, situado a meia hora do centro de Recife, acolhe com ternura turistas sem roteiro predefinido, que não sabem bem se preferem aproveitar a praia, fazer roteiros históricos ou apenas relaxar em um resort com spa e atração para as crianças.

    10. Gubbio transporta turistas do coração da Itália moderna à Idade Média

  1. 1
  2. 2
Publicidade