Aplicativo permite a morador monitorar abastecimento de água

Proposta é popularizar dados de saneamento para fomentar debate

Paulo Gomes
São Paulo

Apenas 29% da população urbana do estado de São Paulo têm abastecimento de água satisfatório. Sua capital, que esteve às voltas com uma crise hídrica nos últimos anos, com reservatórios sob risco de colapso, requer novo manancial e um investimento de mais de R$ 3 bilhões para adequação.

Tais informações soam como exclusivas a técnicos da área, mas a partir desta quinta-feira (28) podem estar na palma da mão dos brasileiros.

A ANA (Agência Nacional de Águas, autarquia que regula os recursos hídricos do país) lança o aplicativo para celulares Água e Esgotos, que permite o monitoramento da situação dos 5.570 municípios do Brasil nas duas áreas.

A proposta, de acordo com o técnico da ANA Alexandre Teixeira, é que o cidadão, acadêmicos e profissionais da área tenham fácil acesso aos dados de monitoramento e com isso cobrem e viabilizem as soluções, já propostas pela agência. Com a popularização desses dados e a conscientização das pessoas, pode pautar inclusive o debate eleitoral.

Para Sérgio Ayrimoraes, superintendente de planejamento da ANA, ainda que qualquer cidadão queira que seus candidatos ofereçam garantias nas áreas da saúde, educação e segurança, a questão da água não é vista como prioritária, mesmo que esteja diretamente ligada à saúde.

“É importante entender que saneamento, garantia de água e poluição da água são temas de saúde”, afirma.

O app oferece dados por meio de gráficos que facilitam a compreensão do cenário de cada cidade e informa o investimento necessário para adequação da rede até 2025.

Há acesso também a croquis com as plantas simplificadas do que seriam as redes ideais de abastecimento e de esgoto para atender à demanda, com o custo estimado de investimento para ambos.

Segundo a ANA, são necessários cerca de R$ 22 bilhões para universalizar o abastecimento de água e aproximadamente R$ 149 bilhões para oferecer uma rede adequada de coleta e tratamento de esgoto. 

“É um investimento baixo em termos de infraestrutura. É factível de se realizar, não há gargalo técnico. É questão de priorização”, diz Ayrimoraes. 

Pelo app já é possível checar em tempo quase real o nível dos reservatórios em alguns municípios do Nordeste —este recurso deve estar disponível até o final do ano abrangendo os demais principais mananciais do país.

“O que sensibiliza o cidadão é saber que vai faltar água na sua torneira, saber que sua cidade é poluidora. Isso precisa ser cobrado, principalmente na próxima eleição”, afirma o superintendente da agência.


Água e Esgotos
Disponível para download gratuito na Play ​Store (Android) e App Store (iOS)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.