Ampliado, parque Independência terá pista de skate, viveiro e novos acessos

Previsão é de que primeiras intervenções no local fiquem prontas em 2019

São Paulo

O parque Independência, no Ipiranga, bairro da zona sul de São Paulo, será ampliado em 26 mil m² —área equivalente a três campos de futebol— e ganhará novos caminhos de acesso, playground, pista de skate, viveiro, espaços para fazer piquenique e lanchonetes.

O plano anunciado pela gestão Bruno Covas (PSDB) prevê concluir no primeiro semestre de 2019 as primeiras intervenções no parque —terceiro mais visitado entre os municipais, com 180 mil a 250 mil pessoas por mês, ficando atrás apenas do Ibirapuera (zona sul) e do Parque Carmo (zona leste).

O espaço a ser anexado elevará de 161 mil m² para 187 mil m² a área total do parque, famoso também pela relevância histórica.

Foi às margens do córrego do Ipiranga que, segundo historiadores, dom Pedro 1º proclamou a Independência do Brasil 196 anos atrás. 

A área do parque existe desde 1909. Além de um jardim inspirado no de Versalhes, na França, ela também é conhecida como abrigo do Museu do Ipiranga —fechado para reformas desde 2013.

Segundo a prefeitura, a ampliação será dividida em duas partes. A primeira, cuja licitação será lançada na semana que vem, prevê implantar caminhos entre o jardim e as áreas da igreja Russa e da Casa do Grito.

Hoje, é possível acessar essas áreas, mas sem caminhos pavimentados. “O acesso é difícil. Vamos fazer esse arruamento, facilitar a acessibilidade”, diz Eduardo de Castro, secretário municipal do Verde e Meio Ambiente.

A primeira fase também prevê a instalação de playground e equipamentos de ginástica para a terceira idade e deve ser concluída em cerca de oito meses após o término da licitação —orçada em R$ 1,7 milhão, valor que virá do Fundo Especial do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

A segunda etapa, que deve ser iniciada em 2019 e é estimada em cerca de R$ 3,5 milhões, visa implantar equipamentos como pista de skate, lanchonete e sala de apoio ao turista, além de viveiro e espaços para piquenique.

A ação integra outras intervenções —como a despoluição do córrego do Ipiranga— com vistas ao bicentenário da Independência, quando é prevista a reabertura do Museu do Ipiranga.

Segundo Valdir Abdallah, 77, presidente do movimento de defesa do parque, há 15 anos a área que agora será ampliada havia sido cedida à iniciativa privada para construção de edifícios. “Toda a comunidade ganha”, afirma.

“A promessa é de que as obras serão executadas. Vamos ver se a promessa será cumprida. Porque até agora várias promessas foram apresentadas aqui para o Ipiranga e não cumpridas. Estamos ansiosos porque vem aí os 200 anos da Independência, e o museu enfrenta essa dificuldade”, diz Abdallah.

Em continuidade aos planos de João Doria (PSDB), que saiu do cargo em abril para disputar a eleição ao governo paulista, a gestão Covas tenta viabilizar a concessão à iniciativa privada de 106 parques municipais.

O processo, no entanto, enfrenta entraves. A tentativa de concessão do parque Ibirapuera junto com outras três áreas verdes da periferia acabou atravancada depois de Márcio França (PSB), governador paulista, alegar que existem terrenos estaduais envolvidos e que ele não foi consultado. A prefeitura passou a rever então a modelagem do projeto.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.