Ministério da Saúde prorroga inscrição e adia chegada de médicos a cidades

Site do programa Mais Médicos foi alvo de ataque, atrapalhando seleção

Natália Cancian
Brasília

O Ministério da Saúde prorrogou o prazo de inscrições para o novo edital do Mais Médicos, aberto para preencher as vagas deixadas após a saída de Cuba do programa, e adiou a chegada dos profissionais aos municípios.

A seleção foi aberta às 8h de quarta (21). Médicos, porém, relataram falhas e dificuldades em acessar o sistema que recebe as inscrições.

Na quarta, o Ministério da Saúde informou ter recebido mais de 1 milhão de acessos simultâneos no momento da abertura das inscrições, "volume característico de ataques cibernéticos". O total também é "mais que o dobro do número de médicos em atuação no país".

Em razão dessas falhas, o fim das inscrições, previsto para domingo (25), foi adiado para o dia 7 de dezembro, uma sexta-feira. Com isso, os médicos que já estiverem inscritos e alocados poderão se apresentar nos municípios entre esta sexta-feira (23) e o dia 14 de dezembro —o prazo anterior era 3 de dezembro.

Em nota, o Departamento de Informática do SUS diz que já identificou a maior parcela dos robôs e máquinas programadas que promoveram os ataques ao site do Mais Médicos. Questionada, a pasta não informou de onde vieram os ataques, mas diz que casos de inserção de dados falsos "podem ser responsabilizados na esfera penal". O ministério afirma que a equipe de segurança isolou e protegeu a rede de novos ataques.

Médicos cubanos começaram a deixar o país nesta quinta (22), mas há cargos desocupados desde terça (20). A situação preocupa municípios, que temem desassistência e que as vagas ofertadas no edital não sejam preenchidas. Além disso, haverá um intervalo entre a saída dos médicos cubanos e o início das atividades dos novos médicos.

Cuba comunicou na semana passada a decisão de encerrar o convênio com o governo brasileiro no programa por causa de declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), que tem criticado a formação dos médicos cubanos e manifestado a intenção de alterar as regras atuais do Mais Médicos.

A corrida de médicos para as inscrições se explica porque, para agilizar o processo, profissionais podem selecionar e confirmar a vaga que desejam ocupar imediatamente após a inscrição. Conforme forem sendo preenchidas, as vagas deixam de ser disponibilizadas no sistema. 

A medida representa uma mudança no modelo de seleção do Mais Médicos, que até então previa a possibilidade de que cada médico selecionasse mais de um município de seu interesse, para só depois ter a vaga confirmada. "Se uma cidade tiver dez vagas, os dez primeiros que acessarem atenderão ao número de unidades, e essa cidade não aparecerá mais para o 11º", disse o ministro Gilberto Occhi (Saúde), ao anunciar o edital.

Até as 17h desta quinta, foram registradas 11.429 inscrições para o edital emergencial, segundo balanço do ministério. Deste total, porém, apenas 5.212 foram efetivadas.

A diferença ocorre porque, após o registro, o sistema verifica as informações cadastradas junto a outras bases de dados —caso, por exemplo, do registro no Conselho Federal de Medicina, necessário para que profissionais brasileiros ou com diploma revalidado possam atuar no país.

Caso haja dados irregulares, a inscrição não é aceita, e o profissional é impedido de escolher uma das vagas disponíveis. Do total daqueles que tiveram inscrições efetivadas, 3.648 já foram alocados para as vagas.

O total representa 43% das vagas abertas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.