Irmão de articulador de Bolsonaro fez contrato para atuar em barragem

Projeto previa explorar rejeitos na área em que construção da Vale se rompeu

Artur Rodrigues
São Paulo

Uma empresa da família de um dos principais articuladores políticos do governo Jair Bolsonaro (PSL), o deputado federal Leonardo Quintão (MDB-MG), teve contrato para explorar a bacia de rejeitos do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), onde a barragem da mineradora Vale se rompeu na sexta-feira (25). 

O contrato deu origem a um projeto de exploração dos rejeitos, que ocorreu em 2014 –antes da tragédia que deixou ao menos 60 mortos e 292 desaparecidos.

O parlamentar, que foi relator do Código da Mineração, e hoje ocupa a Subchefia de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, subordinado direto ao ministro Onyx  Lorenzoni (DEM), tem relação próxima com mineradoras  —sua campanha foi financiada por empresas do setor. Ele não conseguiu se reeleger deputado no ano passado. 

A empresa Elijah Administração e Participações LTDA, de Rodrigo Quintão, irmão do deputado, fechou um "memorando de entendimentos" com a mineradora Green Metals Soluções Ambientais, para explorar rejeitos de propriedade da Vale na bacia do Córrego do Feijão. 

Leonardo Quintão em sessão realizada na Câmara dos Deputados em 2015
Leonardo Quintão em sessão realizada na Câmara dos Deputados em 2015 - Alan Marques/Folhapres

Uma empresa do deputado estadual eleito por Minas Virgílio Guimarães (PT) participou do negócio. Segundo Guimarães, a Brasil Século III Consultoria LTDA teve apenas papel de estruturação nos negócios.

"Uma das coisas que me pareceu na ocasião por volta de 2012, 2013, é que tinha uma enorme possibilidade de exploração massiva de rejeitos", diz.

Segundo ele, o projeto acabou não indo adiante por desistência da Vale. " Infelizmente, porque, se tivesse ido para frente, esse acidente não teria ocorrido", diz.

O plano era implantar um projeto de beneficiamento de rejeitos a seco. Rodrigo Quintão disse à Folha que o projeto foi inviabilizado por questões econômicas.

"Começamos [o projeto]. Entretanto, devido à crise alguns anos atrás, com a queda do preço do minério, a operação foi inviabilizada. Só chegamos a fazer os testes", disse.

Questionada, a Vale afirmou que não é parte desse memorando de entendimento, "portanto, o contrato não é reconhecido pelo estrato encaminhado" pela reportagem.

Contrato da empresa do Rodrigo Quintão, irmão do parlamentar Leonardo Quintão, para explorar a bacia do Córrego do Feijão, em Brumadinho
Contrato da empresa do Rodrigo Quintão, irmão do parlamentar Leonardo Quintão, para explorar a bacia do Córrego do Feijão, em Brumadinho - Reprodução

Rodrigo atua com várias empresas relacionadas à mineração, enquanto o irmão tem a área como foco em sua atuação no Congresso.

Embora ambos não sejam sócios em empresas mineradoras, os irmãos têm negócios em comum em outras áreas. Além disso, Rodrigo doou, em 2014, R$ 160 mil, em valores corrigidos, à campanha do irmão — 40% do arrecadado pelo deputado em 2014 veio do setor da mineração. 

Rodrigo critica supostas distorções, em associações entre seu trabalho e o do irmão, que hoje faz a interlocução do governo Bolsonaro com o Senado. "Hoje tenho ônus por ser irmão do Leonardo, que tem uma vida independente da minha", diz ele, que defende a atuação do deputado.

"Em Minas Gerais, [a mineração] é um setor que é importante. O Leonardo lutou pelo interesse do estado, mas as pessoas distorcem as coisas". 

Leonardo Quintão, que foi relator do Código da Mineração, afirmou em audiência pública defender o setor. 

"Não tenho nenhuma vergonha de ser financiado, dentro da lei, por mineradoras. Nosso projeto impede e inibe toda e qualquer especulação no setor mineral", disse. "Eu defendo, sim, o setor mineral, respeitando as leis brasileiras”. 

Segundo reportagem da BBC Brasil, o Código da Mineração foi escrito em computadores do escritório de advocacia Pinheiro Neto, que tem como clientes mineradoras como Vale e BHP. ​

O parlamentar acabou tendo representação para investigação na Comissão de Ética arquivada pelo então presidente da Câmara, Henrique Alves, em maio de 2014 —Alves foi preso em 2017 em desdobramento da operação Lava Jato. 

Leonardo Quintão afirmou, em mensagem de texto, que retornaria ligação à Folha, mas não o fez até a publicação desta reportagem.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.