Homicídios entre jovens negros são quase três vezes maiores do que brancos e chegam a 185 por 100 mil

Número de 2017 foi divulgado pelo IBGE, que apontou desigualdade racial no quesito violência no Brasil

Rio de Janeiro

A taxa de homicídios entre homens jovens pretos e pardos em 2017 chegou a 185 a cada 100 mil habitantes de 15 a 29 anos, quase três vezes mais do que os brancos, com média de 63,5, informou estudo divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta (13).

A pesquisa mostra que em todos os grupos etários a taxa de homicídios da população preta ou parda superou a da população branca, mas a violência a que jovens pretos ou pardos estão submetidos é mais letal. 

O número de homicídios entre brancos de 15 a 29 anos cai para 34 a cada 100 mil quando considerada também a população feminina, mas continua quase três vezes menor do que os negros jovens; neste grupo, se somados homens e mulheres, foram computados 98,5 assassinatos por grupo de 100 mil brasileiros em 2017.

"Os problemas relativos à violência incidem de maneira bastante desigual nos jovens pretos ou pardos", analisou Cláudio Crespo, analista de população e indicadores sociais do IBGE.

Outro fator apontado pelo IBGE é que os números da violência entre jovens negros são grandes em vários setores da sociedade. Estudantes pretos ou pardos do 9º ano do ensino fundamental vivenciam mais experiências violentas do que os brancos, como ter sofrido agressão por algum parente ou envolvimento em brigas com armas de fogo ou branca.

A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar de 2015, do IBGE, apontou ainda que 15,4% dos estudantes pretos ou pardos do 9º ano do ensino fundamental não compareceram à escola por falta de segurança no trajeto casa-escola ou na própria escola nos 30 dias anteriores à pesquisa. Entre os brancos, a taxa é de 13,1%.

Mais da metade dos alunos negros estudavam em estabelecimentos em área de risco em termos de violência, isto é, em escolas que informaram estar em região com risco de furto, roubo, consumo de drogas ou homicídios.

Douglas Belchior, membro do conselho geral da Uneafro Brasil (União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e Classe Trabalhadora), que agrega militantes da causa negra e luta antirracistas, destacou o poder de superação dos estudantes negros diante das adversidades.

"O poder de superação e resiliência dos estudantes negros, sua família e comunidade é impressionante. Infelizmente vivemos o contexto de um governo que se coloca contrário às elaborações, reivindicações e demandas históricas das lutas por igualdade e justiça racial", afirmou Belchior.

Já Luanda Botelho, analista do IBGE, apontou como a violência precoce prejudica o lado psicológico dos jovens em formação. “Os estudos mostram que quem mais sofre com a violência na adolescência também está mais sujeito a doenças como depressão, a piores resultados acadêmicos e a se envolver em violência no futuro”, analisou.

No grupo de pessoas pretas e pardas total, sem diferenciar idade ou sexo, a taxa de homicídios aumentou de 37,2 para 43,4 entre 100 mil habitantes, de 2012 a 2017. O crescimento não foi proporcionalmente igual ao dos brancos, grupo no qual permaneceu estável: de 15,3 para 16. 

Essa diferença significa que pretos ou pardos tinham 2,7 vezes mais chances de serem vítimas de homicídio em 2017 do que os brancos.

Luanda Botelho explicou que o estudo ajuda a traçar um panorama maior da desigualdade racial no Brasil.

"Nós analisamos a violência mais extrema, através das taxas de homicídio, mas também a violência mais presente no cotidiano, do ambiente em que essa população está inserida”, disse ela.

O Atlas da Violência, publicação do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgado em junho, já havia mostrado que o índice de mortes violentas entre jovens negros vinha crescendo no Brasil. Entre 2007 e 2017, o assassinato de negros aumentou dez vezes mais do que o de não negros (brancos, amarelos e indígenas). 

Um estudo de 2013 apontou que as mortes violentas de jovens haviam custado ao Brasil cerca de 1,5% do PIB em 2010, quando foram assassinados 28.562 nesta faixa etária. Em 2017, foram 35.783 —um aumento de 25%. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.