Atendente de voo diz ter recebido tapa de autoridade paraense por não permitir embarque com arma

Supervisor da Latam registrou B.O. contra chefe da Administração Penitenciária no Pará, que nega a agressão

Rio de Janeiro

Um atendente da Latam registrou na terça (6) um boletim de ocorrência contra o secretário de Administração Penitenciária do Pará, Jarbas Vasconcelos do Carmo.

O supervisor da companhia aérea, cujo nome será preservado a pedido da empresa, diz ter recebido um tapa no braço esquerdo do secretário. Motivo: não permitir que entrasse com uma arma no voo.

Segundo o boletim, anotado na delegacia do aeroporto internacional de Belém, a agressão aconteceu por volta das 13h, na sala de embarque, e foi enquadrada na categoria de "fatos atípicos".

O funcionario afirma que avisou Carmo que entrar no avião com uma arma feria a resolução 461 da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Instrutor demonstra manuseio de arma de fogo em clube de tiro de SP - Jardiel Carvalho:Folhapress

Diz a norma que é proibido levar na bagagem de mão: "Armas de fogo de qualquer tipo: pistolas, revólveres, garruchas, carabinas, espingardas, escopetas, fuzis, mosquetões, metralhadoras, submetralhadoras, rifles etc.". O carregador estava acoplado na arma.

Ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) paraense, Jarbas Vasconcelos (homônimo do senador pernambucano) já estava à frente da pasta quando vieram à tona denúncias de tortura, por agentes penitenciários, em presidiários de unidades masculina e feminina, em 2019.

A Latam confirma à Folha que solicitou apoio da Polícia Federal no embarque do voo LA3549, que ia de Belém a São Paulo, "em função de comportamento indisciplinado de um dos passageiros".

"A empresa ressalta que segue os mais elevados padrões de segurança, atendendo rigorosamente aos regulamentos de autoridades nacionais e internacionais", diz a companhia.

Procurado, Carmo disse via assessoria que o episódio "é uma inverdade" e uma potencial "tentativa de exploração política".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.