Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Não vou entregar o cargo, diz ministro de Educação após fala de Bolsonaro

Vélez diz que não conversou com presidente, que indicou sua saída na segunda (8)

Carolina Linhares
Campos do Jordão

O ministro da Educação, Ricardo Vélez, afirmou nesta sexta-feira (5) que não irá entregar o cargo. Ele falou com a imprensa durante 18º Fórum Empresarial Lide, em Campos do Jordão (SP).

Nesta sexta, o presidente Jair Bolsonaro indicou que o ministro deve deixar o comando da pasta na próxima segunda-feira (8).

O ministro evitou responder perguntas sobre uma eventual saída do ministério. Afirmou apenas que Bolsonaro não conversou com ele a respeito.

"Eu pessoalmente não tenho notícia disso", respondeu ao ser questionado sobre sair do ministério. "Pretendo participar do fórum e não vou entregar o cargo".

O ministro Ricardo Veléz nesta sexta (5), no 18º Fórum Empresarial Lide, em Campos do Jordão (SP) - Amanda Perobelli/Reuters

Vélez disse ainda que "a única coisa insustentável é a morte" ao ser questionado se sua permanência seria insustentável.

Sobre críticas à gestão no MEC, o ministro disse que a saída é racionalidade. 

No Lide, a uma plateia de empresários, ele defendeu foco do governo em alfabetização e ensino profissional, evitando temas polêmicos e ideológicos.

Após a palestra, Vélez falou com a imprensa por menos de dois minutos, somente no caminho até o banheiro. Depois, voltou ao auditório para ouvir as próximas palestras.

Em Brasília, durante um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto, Bolsonaro indicou a saída do ministro. "Está bastante claro que não está dando certo. Ele é bacana e honesto, mas está faltando gestão, que é coisa importantíssima", disse.

De acordo com Bolsonaro, na segunda-feira, "tira a aliança da mão direita e põe na esquerda ou põe na gaveta. Vamos supor que seja a saída dele [Vélez]". O presidente disse ainda que não descarta reaproveitar o ministro em outra área do governo.

"Até segunda, vai ser resolvido, ninguém mais vai reclamar. Vélez é boa pessoa. Quem vai decidir sou eu. Segunda é o dia do fico ou não fico", afirmou o presidente.

As crises de Vélez

Ministério da Educação vive sequência de recuos, demissões e racha entre grupos técnicos, militares e olavistas

Alfabetização Em 25 de março, o governo suspende a avaliação de alfabetização deste ano

Como consequência, a secretária de educação básica do MEC pede para deixar o cargo

O ministro revoga a medida no dia seguinte, o que culmina na demissão do presidente do Inep

Enem Após vencer eleição, Bolsonaro critica questões e diz que tomaria conhecimento prévio da prova; Vélez dá aval

Presidente do Inep cria comissão para pente-fino ideológico das questões

Além disso, gráfica que imprime exame vai à falência e põe prova em risco

Livros didáticos Em janeiro, o MEC publica edital para compra de livros sem a exigência de referências bibliográficas; a pasta volta atrás depois

Após o governo comemorar o aniversário do golpe militar de 1964, Vélez diz que não houve golpe e que o regime militar não foi ditadura; o ministro fala em mudar os livros didáticos para resgatar "versão da história mais ampla"

Hino Em fevereiro, Vélez envia carta a escolas em que pede que diretores filmem alunos cantando o hino nacional e entoem mensagem com lema de campanha de Bolsonaro

Ele recua duas vezes e desiste do pedido

Os cotados para a vaga

Anderson Ribeiro Correa" Presidente da Capes, engenheiro e ex-reitor do ITA. Além da ligação com os militares, tem a simpatia da bancada evangélica

Izalci Lucas"Senador pelo DF (PSDB). É o principal nome da bancada evangélica e não sofre resistência do núcleo militar, mas da ala olavista

Eduardo Melo"Ex-militar e também religioso, é a principal aposta dos olavistas.Exonerado do MEC em março, assumiu a direção adjunta da associação que gerencia a TV Escola, do MEC

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.