Descrição de chapéu Incêndio no CT do Flamengo

'Foi coisa de Deus estar vivo', diz sobrevivente de incêndio no Ninho do Urubu

Samuel, 16, afirma que ar condicionado pegou fogo e relata ter visto muita fumaça

Yala Sena
Teresina

O jogador Samuel Barbosa Costa, 16, das categorias de base do Flamengo, afirmou que foi um pesadelo o incêndio que atingiu o Ninho do Urubu nesta sexta-feira (8) e matou ao menos dez pessoas.

“Foi coisa de Deus estar vivo. Acordei por volta das 5h com uma fumaça forte no quarto, saí para saber o que estava acontecendo e vi muita fumaça e fogo”, disse Samuel, que é zagueiro das categorias de base do clube e mora no Rio de Janeiro há seis anos.

De acordo com o jogador, o incêndio atingiu um contêiner com oito quartos e o seu era o segundo. 

“O clima é de muita tristeza, ninguém acredita, é um pesadelo”, disse o atleta à Folha.

Para acalmar os familiares que moram em Teresina (PI), Samuel gravou um vídeo após o incêndio para dizer que estava bem.

Na gravação, ele relata os momentos de sofrimento.

“A maioria dos atletas está bem. Alguns não conseguiram porque a intensidade de fogo era muita, muita. Aconteceu que o ar-condicionado pegou fogo, daí foi gerando um curto-circuito em todos os ar-condicionados, pegando tudo. Foi muito rápido, muito rápido. Não deu pra conseguir chamar quase ninguém”, disse o zagueiro.

A família de Samuel foi do Piauí para o Rio há dois anos para que o jovem tentasse uma oportunidade no clube. 

O Flamengo só abriga atletas de fora do estado. O rapaz ficava no alojamento de contêineres no CT. Sua família mora próximo, em uma casa no bairro de Vargem Grande. 

Segundo Marcia Santos, 34, madrinha de Samuel, as informações chegaram às 5h para a família e o Flamengo avisou que seu parente não corria risco às 7h.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.