Ex-presidente da Fifa é investigado por repasse milionário a federação

Blatter teria emprestado dinheiro sem cobrança de juros e exigência de garantias

AFP

O ex-presidente da Fifa Joseph Blatter está sendo investigado pela Justiça suíça devido a um empréstimo acordado pela instância em 2010 para a Federação de Futebol de Trinidad e Tobago (TTFF), disseram fontes judiciais à AFP.

Não é "um novo processo criminal contra Joseph Blatter, mas é adicionado ao conjunto de processos criminais" aberto contra o ex-presidente da Fifa (1998-2015), afirmou o Ministério Público suíço (MPC) em um email.

Essa nova parte da investigação, lançada em maio, concentra-se em outros dois membros eminentes da Fifa na época: o ex-secretário-geral Jérôme Valcke e o ex-diretor financeiro Markus Kattner.

Trata-se de um empréstimo de um milhão de dólares que a Fifa concedeu à TTFF em 2010 sem juros nem garantias, que, de acordo com o documento ao qual a AFP teve acesso, logo se tornaram um "subsídio".

"Fui informado dessa acusação e rejeitei completamente o conteúdo", reagiu Blatter.

Essa nova ramificação da investigação vem a público no momento em que a Fifa continua sob os olhos da Justiça suíça devido a vários pagamentos fraudulentos destinados a Jack Warner, expulso da federação internacional pelo resto da vida depois de ter sido membro por anos e acusado de corrupção pela Justiça americana.

Blatter, no entanto, viu ser arquivada em maio uma investigação do MPC sobre um contrato de direitos televisivos acordado em 2005 para a União de Futebol do Caribe, comandada na época por Warner.

Mas o suíço ainda está sob a ameaça de outro processo criminal, o do pagamento, atrasado e sem rastro, de dois milhões de francos suíços (US$ 2,11 milhões) ao então presidente da Uefa Michel Platini, o que levou ao afastamento do ex-craque por vários anos de todas as atividades relacionadas ao futebol, o que impediu o francês de concorrer nas eleições para suceder Blatter.

Em maio de 2018, Platini foi absolvido pela Justiça suíça.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.