Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/03/2004 - 10h08

Russos devem vencer licitação F-X da FAB

Publicidade

da Folha de S.Paulo, em Brasília

A concorrência para a venda de caças à FAB (Força Aérea Brasileira) chegou ao seu ponto final com a Embraer, franca favorita no princípio da disputa, perdendo pontos preciosos. O próximo avião da FAB será mais provavelmente o russo Sukhoi Su-35. O sueco Gripen também tem boas chances, embora ainda não esteja 100% descartado o francês Mirage-2000BR, oferecido pela Dassault e pela Embraer.

Chegou ao Planalto, na quinta passada, o relatório da comissão que estudou o caso da venda dos caças, um negócio de US$ 700 milhões que prevê o fornecimento de 12 aparelhos para substituir os atuais Mirage IIIEBR, que estão caducando no fim deste ano.

A comissão, formada por 13 membros de ministérios e do Legislativo, analisou um dos itens do relatório confeccionado pela FAB sobre os aviões concorrentes: as compensações diretas e indiretas oferecidas pelos consórcios, o chamado offset.

Foi aí que a Dassault/Embraer perdeu fôlego por oferecer as compensações quase integralmente do próprio consórcio, abrindo pouca margem para a integração de outras tecnologias ou para abertura de mercado.

As propostas russa e sueca são mais tentadoras. Por exemplo: a Rosoboronexport, agência de promoção de materiais de defesa que se associou à brasileira Avibrás para oferecer o Sukhoi, se compromete com a compra de até US$ 3 bilhões em produtos brasileiros --além de transferir tecnologia sensível em várias áreas.

O relatório não é terminativo, apenas indicativo, assim como o da FAB --que analisou, além dos offsets, a capacidade operacional do aparelho, a logística, o suporte pós-venda e aspectos estratégicos.

O que torna o Sukhoi favorito, segundo a Folha apurou, é uma conjunção de fatores.

O Ministério da Defesa é favorável aos russos, em especial porque a transferência tecnológica em outras áreas inclui a espacial --o governo tornou prioridade a retomada da construção de lançadores de satélite após a tragédia de Alcântara, quando 21 técnicos morreram na explosão do foguete VLS no ano passado.

A Defesa já tem um acordo assinado com a Rússia para o intercâmbio nesse setor. A compra do Sukhoi é uma seqüência lógica ao quadro, embora o ministro José Viegas negue que haja tal relação.

Além disso, ao tornar-se parceiro da Rússia, o Brasil abriria mais possibilidades de negócios com o país --o que é uma das prioridades da política externa de Lula.

Mas há diversos poréns. Apesar de o Su-35 ser considerado pela própria FAB um aparelho superior aos concorrentes, há uma preferência velada na Força pelo Gripen e pelo Mirage. Há desconfiança em relação ao material russo, usado em uma escala pequena no Brasil, e dúvidas sobre os custos de manutenção e operação.

O Gripen desponta com uma boa proposta comercial e um avião moderno, embora com possibilidades de desenvolvimento futuro duvidosas e características pouco adequadas ao tamanho do Brasil. Nos bastidores, sua proposta de offset, envolvendo empresas suecas, é vista com simpatia por setores ligados ao comércio exterior do governo.

Há também o fator Embraer. Ninguém duvida que a empresa, maior fabricante de aviões do país, vá participar de alguma forma do processo de integração da nova aeronave --ou seja, da adaptação dela a padrões e características de missões da FAB.

A licitação, chamada F-X, sempre foi vista nos meios militares como uma forma de trazer a melhor parceria para a Embraer. Algo semelhante ocorreu na modernização dos caças F-5 da FAB, agora em curso.

Só que a Embraer se associou para oferecer um produto, o Mirage-2000BR, com os mesmos sócios que haviam comprado 20% de seu controle. Isso fechou as portas para outras parcerias, que eram desejadas pela FAB.

Por outro lado, a associação garantiu uma proposta comercialmente sólida com um parceiro tradicional. Além disso, a Embraer é considerada pelos militares uma cria sua --a empresa foi fundada pela Aeronáutica e privatizada em 1994.

Recentes declarações de Viegas, ainda que negadas depois, indicaram que a Embraer irá acabar participando do projeto. O ""como" é uma incógnita nesse momento, o que leva alguns dos concorrentes a acreditar que a regra do jogo ajuda a Embraer.

A comissão que analisou o relatório da FAB descartou o aspecto de criação de empregos por completo. Diferentemente do que a Embraer e a Avibrás propagandeiam, pouquíssimos postos de trabalho serão ganhos.

Ficaram fora da disputa, pelo relatório da comissão, o norte-americano F-16 (Lockheed-Martin) e o russo MiG-29 (RAC). A decisão agora está na mesa de Lula. Deverá ser tomada até abril, e anunciada em reunião do Conselho de Defesa Nacional, formado por vários ministros.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página