Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/04/2004 - 09h21

Antropólogo Otávio Velho faz estudo da religião

Publicidade

da Folha de S.Paulo, no Rio

Professor titular há 20 anos do Museu Nacional, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o antropólogo Otávio Velho, 62, é especialista no estudo da religião e de sua relação com a ciência e a política. No momento, dedica-se ao estudo das modalidades de discurso político.

"Há uma certa dificuldade hoje de se saber qual é de fato a natureza da atividade política, uma tendência de avaliar a política com parâmetros que não são dela", disse Velho, que não é filiado ao PT nem a outro partido e votou em Lula em 2002.

Autor de "Relativizando o Relativismo", considerado um clássico da antropologia nacional, Velho foi aluno do professor Roberto DaMatta, hoje na Universidade de Notre Dame (EUA). Para ele, o discurso "mistificador" do relativismo cultural acabou por deixar de lado questões centrais da sociedade brasileira, como raça, religiosidade e gênero.

"A antropologia diz que é preciso estranhar o familiar. Mas quantos de nós somos capazes de enxergar o óbvio? Por exemplo, a ausência de negros em nossas universidades públicas, sobretudo na pós-graduação. É crível, ainda, justificar isso em nome do sincretismo?", pergunta Velho em um artigo recente.

Otávio é irmão de Gilberto Velho, também antropólogo e autor de "A Utopia Urbana" e "Individualismo e Cultura". Otávio Velho é autor ainda dos livros "Fenômeno Urbano" (org.) e "Besta Fera", entre outros.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página