Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/08/2005 - 12h17

CPI dos Bingos aprofunda investigações sobre Gtech

Publicidade

ROSE ANE SILVEIRA
da Folha Online, em Brasília

O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Morais (PFL-PB), confirmou para esta terça-feira o depoimento do ex-advogado da Gtech Brasil Enrico Gianelli. A Gtech é a empresa multinacional detentora da concessão para a exploração das loterias da Caixa Econômica Federal. A empresa teria sofrido cobrança de propina do ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz para que seu contrato com a CEF fosse renovado.

A comissão foi criada para apurar o envolvimento do ex-assessor da Casa Civil com casas de bingos. As denúncias contra ele apontaram para uma tentativa de intermediação, junto à Caixa, para a renovação do contrato com a Gtech.

Na última semana, a CPI ouviu os depoimentos de Marcelo Rovai, atual gerente da Gtech e de seu ex-presidente Antônio Carlos da Rocha. Os dois confirmaram as acusações de que a empresa foi alvo de achaque por parte do ex-assessor da Casa Civil. A cobrança de propina teria sido feita por Rogério Tadeu Buratti, ex-assessor de Waldomiro Diniz, que também deve depor amanhã.

Segundo Efraim, a CPI quer saber de Buratti informações sobre a ligação dele com o então consultor da presidência da CEF Ralf Barquete dos Santos durante a renovação do contrato com a Gtech.

Este contrato está sob suspeita de corrupção. O seu valor é de R$ 650 milhões e foi assinado pela Gtech em abril de 2003. Buratti e Barquete (que morreu em junho de 2004) foram assessores do ministro Antonio Palocci Filho (Fazenda) na prefeitura de Ribeirão Preto (SP) e já tiveram seus sigilos fiscal, bancário e telefônico quebrados pela CPI de 2002 a 2005.

Palocci administrou a cidade entre 1993 e 1996 e entre 2001 e 2002, quando deixou o cargo para ser um dos coordenadores da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República. A quebra de sigilos não atinge o período em que dos dois foram assessores de Palocci. No caso de Barquete, o que está sob investigação é o seu espólio.

A CPI pretende ouvir ainda no mesmo dia, se houver tempo, José Luiz do Amaral Quintans, auditor da Caixa e ex-gerente Nacional de Loterias. Quintans seria o responsável pelas negociações entre a CEF e a Gtech.

Na quarta-feira, a partir das 11h30, a comissão ouve Marcelo Coelho Aguiar, que trabalhou até o mês passado na Secretaria de Comunicação do Governo e é sócio da MM Consultoria. A empresa teria recebido da Gtech cerca de R$ 2 milhões por supostos honorários advocatícios relativos à medida cautelar no STJ (Superior Tribunal de Justiça). Na ação cautelar, a Gtech também estava representada pela Fischer&Foster Advogados e Sigmaringa Seixas Advogados.

Na quinta-feira ocorre o depoimento mais esperado da CPI dos Bingos. Pela primeira vez desde o seu afastamento do governo, o ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz vai prestar um depoimento público e explicar o seu envolvimento com a Gtech e a sua atuação como presidente da Loterj (Loteria Estadual do Rio de Janeiro).

Neste período, ainda como integrante do governo do Rio de Janeiro, Waldomiro Diniz foi flagrado em uma fita cobrando propina do empresário do ramo de jogos, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Leia mais
  • CPI prossegue busca de documentos sobre "mensalão"
  • Ricardo Izar quer instaurar até amanhã processo contra Dirceu e Mabel
  • Lula diz que não é possível apressar as investigações sobre corrupção
  • Presidente do TSE quer pena mais rigorosa para crimes eleitorais

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a CPI dos Bingos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página