Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/10/2005 - 21h08

Empresário diz que Bônus-Banval fez depósito em sua conta por engano

Publicidade

da Folha Online

O dono da empresa Natimar, o argentino Carlos Alberto Quaglia, afirmou nesta terça-feira à CPI dos Correios que a corretora Bônus-Banval depositou R$ 6,5 milhões na conta de sua empresa por engano.

Segundo Quaglia, Enivaldo Quadrado, um dos sócios da Bônus-Banval, lhe disse, em 2004, que não poderia fazer o estorno desse dinheiro uma vez que sua corretora estava sob auditoria.

Quaglia acusou a Bônus-Banval de utilizar a conta de sua empresa para lavar dinheiro. "Quadrado estava usando a Natimar para encobrir operações ilegais", afirmou o empresário.

A Natimar e a Bônus-Banval são investigadas pela CPI dos Correios por suspeita de participação no esquema de lavagem de dinheiro operado pelo empresário Marcos Valério de Souza. Quaglia negou conhecer Valério.

O empresário argentino responde a três processos no Brasil: um por lavagem de dinheiro e dois por falsidade ideológica. Em seu depoimento, ele não convenceu os parlamentares ao explicar como aumentou o capital de sua empresa de R$ 10 mil para R$ 500 mil.

"Recebi de amigos e da família o dinheiro para aumentar o capital social. Foram empréstimos pessoais, toda a minha vida foi assim".

Quaglia também foi questionado sobre a operação em que trouxe ao Brasil US$ 14,6 milhões por meio de uma operação com a empresa de trading paraguaia Discovery. Segundo ele, a operação destinava-se a compra de equipamentos para exportação, principalmente tratores.

O empresário disse ter comprado, por cerca de US$ 600 mil, quatro tratores usados que teriam sido exportados para o Uruguai e Holanda.

Como as outras operações não se concretizaram e o empresário teria recebido todo o dinheiro antecipadamente, ele montou uma operação em que transformou a antecipação dos recursos em empréstimo. Assim, teria uma justificativa legal a apresentar ao Banco Central sobre a utilização dos recursos.

O que intrigou os parlamentares, como o sub-relator de movimentação financeira na CPI dos Correios, deputado Gustavo Fruet (PDSB-PR), foi como o empresário argentino radicado em Santa Catarina conseguiu convencer a empresa Discovery a lhe antecipar US$ 14 milhões se o seu patrimônio somava cerca de R$ 500 mil.

Quaglia disse, ainda, que o analista de mercado Najun Turner deu "carta branca" para operar com a compra e venda de ativos no mercado pela empresa Natimar.

Turner disse à CPI que, em 1995, passou a prestar consultoria ao empresário argentino a quem conhecia a algum tempo. A operação dos US$ 14,6 milhões, que de antecipação para exportações virou empréstimo, segundo Quaglia, foi orientada pelo próprio Turner.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a CPI dos Correios
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página