Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/08/2006 - 10h41

Assassino de Chico Mendes é preso em Xapuri

Publicidade

SÍLVIA FREIRE
da Agência Folha

O fazendeiro Darly Alves da Silva, 71, condenado pelo assassinato do líder seringueiro Chico Mendes, em 1988, foi preso anteontem em Xapuri (180 km de Rio Branco, AC) por determinação da Justiça Federal em Santarém (PA).

Desde dezembro de 2004, Darly está em liberdade condicional por ter cumprido parte da pena pelo assassinato. Até ser preso ontem, ele morava na fazenda Paraná, em Xapuri.

Segundo o advogado Pedro Marialva, que atuou como defensor dativo de Darly, o fazendeiro foi condenado pela Justiça Federal em Santarém a dois anos e oito meses de prisão e pagamento de multa por uso de documentos falsos em um empréstimo feito no Basa (Banco da Amazônia) no período em que ficou foragido em Medicilândia (PA), entre 1993 e 1996.

"A pena foi baixa, mas, como ele não é réu primário em decorrência do homicídio de Chico Mendes, terá que voltar a prisão para cumprir", disse Marialva. O advogado disse que a decisão já transitou em julgado e não cabe mais recurso.

Em dezembro de 1990, Darly e seu filho Darci Alves Pereira foram condenados a 19 anos de prisão pela morte do seringueiro. O fazendeiro foi apontado como mandante do crime. Os dois fugiram da prisão em Rio Branco em fevereiro de 1993. Darly só foi capturado em junho de 1996 e Darci em novembro daquele ano.

Enquanto esteve foragido, Darly morou em um assentamento do Incra no interior do Pará e chegou a conseguir financiamento com o nome de Francisco Matias de Araújo.

Segundo o advogado, o gerente do Basa, arrolado como testemunha no processo, afirmou que Darly pagou o empréstimo. "A irregularidade dele no processo foi o uso do documento falso", disse o advogado.

Até a tarde de hoje, Darly estava detido na delegacia da Polícia Civil de Xapuri. Três policiais de Brasiléia (AC) foram deslocados para ajudar na segurança do local.

Darly foi preso por policiais militares em um cartório no centro de Xapuri e não resistiu à prisão. Ontem, ele foi ouvido em audiência pela juíza do município, Zenair Vasques.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Darly Alves da Silva
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página