Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/08/2006 - 10h34

Em Maceió, Heloísa Helena defende a reativação da Sudene

Publicidade

ROSA FERRO
colaboração para a Agência Folha, em Maceió
SÉRGIO TORRES
da Folha de S.Paulo, no Rio

Na primeira visita a Maceió (AL) como candidata oficial pelo PSOL à Presidência, a senadora Heloísa Helena defendeu ontem a reativação da Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste), órgão federal que foi desativado pelo governo FHC em razão de casos de corrupção.

"A nossa obrigação é dar vitalidade à Sudene, com participação dos trabalhadores e empresários, para que seja uma estrutura a mais no desenvolvimento da região, e não da corrupção, do banditismo", disse a candidata ao desembarcar no aeroporto de Maceió.

Na cidade, ela voltou a criticar o governo Lula: "A podridão do Congresso Nacional é igual à do governo, porque ele distribuiu recursos orçamentários, como aconteceu no Piauí, Mato Grosso do Sul e em prefeituras do Rio de Janeiro", disse a candidata ao se referir à participação de parlamentares no escândalo dos sanguessugas.

Heloísa Helena disse ainda que a eleição terá um caráter plebiscitário, pois os eleitores vão opinar se são favoráveis ou contrários à corrupção.

Recursos escassos

A falta de dinheiro levou a coordenação da candidatura da senadora Heloísa Helena (PSOL-AL) à Presidência a centralizar a campanha em regiões metropolitanas de 11 Estados e no Distrito Federal.

A idéia é intensificar o corpo-a-corpo na ruas. Como não há verba para percorrer o país todo, ela ficará apenas no entorno das grandes cidades.

A coordenação decidiu priorizar as áreas metropolitanas de Estados onde o PSOL afirma se concentrarem 80% da população brasileira: São Paulo, Rio, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Ceará, Pará e Distrito Federal.

Heloísa Helena não deixará de visitar os demais. Segundo a coordenação, até o fim da campanha ela deverá ter ido a todos os Estados brasileiros, mas não está prevista mais de uma visita a regiões consideradas com menor potencial de votação.

A candidata viajará em aviões de carreira e evitará os hotéis, preferindo imóveis providenciados por militantes do PSOL.

Candidato a vice na chapa da senadora, o cientista político César Benjamin afirma que o diferencial da campanha "é a rua", definida por ele como "o lugar do encontro com o povo".

Para ele, a subida de Heloísa Helena nas pesquisas tende a criar no eleitor um sentimento de dúvida e reavaliação em relação a votos tidos como cristalizados em outros candidatos.

A coordenação da campanha, em reunião que terminou na noite de anteontem, em Brasília, discutiu os temas que deverão ser abordados de modo mais constante pela senadora.

Um deles é, em caso de um eventual governo Heloísa Helena, a abertura de um espaço para consultas à população.

A senadora falará também em propostas de programas de amparo social que sejam vinculados à geração de empregos, diferenciando-os do clientelismo político que identifica em ações como o Bolsa-Família do governo Lula.

Ficou ainda definida a necessidade de evitar que a candidata responda com agressividade a jornalistas.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre as eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página