Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/08/2006 - 10h07

Relatório da CPI deve poupar 19 deputados

Publicidade

LETÍCIA SANDER
RANIER BRAGON
da Folha de S.Paulo, em Brasília

Os últimos depoimentos reservados de Luiz Antônio Trevisan Vedoin à CPI dos Sanguessugas levaram a comissão a colocar na categoria dos "inocentados" cinco deputados federais contra os quais, até então, havia a tendência de ser pedida a cassação do mandato.

A Folha teve acesso na noite de ontem à sistematização que servirá de base para o relatório de Amir Lando (PMDB-RO) a ser apresentado amanhã. De acordo com esse trabalho, feito pelo deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), contra 49 dos 90 investigados há provas "robustas, inequívocas".

Os senadores Ney Suassuna (PMDB-PB) e Magno Malta (PL-ES) estão nessa lista. Em relação a outros 22 há a acusação de Vedoin, sócio da Planam, de que receberam propina em dinheiro vivo. O pedido de cassação dependerá de outras provas, como gravações da Polícia Federal. Já o grupo de investigados que podem ser inocentados pelo relatório de Lando subiu para 19.

Os cinco que devem escapar são: Helenildo Ribeiro (PSDB-AL), Fernando Estima (PPS-SP), Josias Quintal (PSB-RJ), Itamar Serpa (PSDB-RJ) e Jefferson Campos (PTB-SP). O presidente da CPI, deputado Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ), chegou a ameaçar ontem Vedoin dizendo que pediria o fim do benefício da delação premiada caso o empresário tentasse inocentar deputados.

"Eu o adverti [Vedoin] que, se ficar evidenciado que há uma tentativa de inocentar A, B, ou C, vou oficiar o juiz e pedir que ele perca o benefício da delação premiada e volte para a cadeia", disse o deputado.

Segundo Biscaia, Carlos Sampaio encontrou 13 "pontos de conflito" entre o que Vedoin disse à Justiça e o que ele disse à CPI. Em oito casos, essas divergências beneficiariam os parlamentares. Mais tarde, Sampaio afirmou não se tratar de contradições, mas de divergências que foram sanadas.

Gabeira

Presidente em exercício do PSB, o ex-ministro Roberto Amaral (Ciência e Tecnologia) entrou ontem no Conselho de Ética da Câmara com representação contra o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), pedindo a cassação de seu mandato. Segundo Amaral, Gabeira feriu o decoro parlamentar por ter feito acusações "levianas" contra o PSB na CPI.

Anteontem, Gabeira acusou o partido de comandar na Ciência e Tecnologia um esquema similar ao da máfia das ambulâncias. Na sessão de ontem da CPI, Gabeira e o senador Wellington Salgado (PMDB-MG) trocaram acusações públicas. O deputado disse que o senador faz "sabotagens" contra a CPI.

Salgado chamou Gabeira de "mentiroso" e o acusou de fazer carreira em cima de seqüestros, em referência ao seqüestro do embaixador Charles Elbrick.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página