Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/08/2006 - 10h38

Presidente do Senado recebe hoje relatório da CPI dos Sanguessugas

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O presidente do Senado, Renan Calheiros, recebe hoje o relatório parcial da CPI dos Sanguessugas. O texto, aprovado na semana passada pela CPI, recomenda a abertura de processo de cassação contra 72 parlamentares envolvidos na máfia das ambulâncias, entre eles três senadores: Ney Suassuna (PMDB-PB), Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT).

Calheiros promete encaminhar o mais rápido possível o relatório ao Conselho de Ética do Senado. O presidente do Conselho, senador João Alberto (PMDB-MA), acredita que em um mês os três processos serão analisados pelo órgão. O Conselho de Ética do Senado quer concluir os processos de cassação dos três senadores antes das eleições.

Hoje, a CPI dos Sanguessugas se reúne para votar 107 requerimentos de convocações e o calendário da segunda fase das investigações --que se estende até 22 de dezembro.

Entre os requerimentos a serem votados, há os considerados polêmicos --como os que pedem a convocação dos ex-ministros da Saúde Humberto Costa, Saraiva Felipe e José Serra. Integrantes da CPI querem que os ex-ministros prestem esclarecimentos sobre fatos que ocorreram no Ministério da Saúde durante a gestão deles.

Depois da fase de investigação sobre os parlamentares envolvidos na compra superfaturada de ambulâncias, a CPI quer agora investigar a participação de ministros e outras autoridades na máfia dos sanguessugas.

Leia mais
  • CPI dos Sanguessugas denuncia 72 parlamentares; veja lista
  • CPI dos Sanguessugas absolve 18 parlamentares

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página