Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/08/2006 - 16h42

Suassuna nega relação entre saída da liderança do PMDB e sanguessugas

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O senador Ney Suassuna (PMDB-PB) ocupou hoje a tribuna do Senado Federal para justificar oficialmente a decisão de deixar a liderança do PMDB no Senado. Suassuna, que é acusado de envolvimento com a máfia das ambulâncias, disse que vai se afastar da liderança por dois meses para se dedicar integralmente à campanha eleitoral ao Senado.

O senador minimizou a versão de que teria deixado o cargo após pressão da bancada peemedebista no Senado, uma vez que será investigado pelo Conselho de Ética como um dos acusados de participação no esquema da compra superfaturada de ambulâncias.

"Não sou homem de fugir da luta. Indico o nome do senador Wellington Salgado (PMDB-MG) para me substituir interinamente", disse.

O senador disse que vai aguardar com "serenidade" o julgamento do seu processo no Conselho de Ética do Senado. A CPI dos Sanguessugas recomendou a abertura de processo de cassação contra Ney Suassuna e os senadores Magno Malta (PL-ES) e Serys Serys Slhessarenko (PT-MT), além de outros 69 deputados --todos por suposto envolvimento com a máfia das ambulâncias.

Além de deixar a liderança do PMDB, Suassuna anunciou que vai se afastar do Conselho de Ética para evitar "constrangimentos" durante as investigações. "Longe de mim criar embaraços para o partido e o Conselho de Ética. Vou aguardar a etapa do Conselho. Lá me será assegurado o direito de defesa", afirmou.

Leia mais
  • CPI dos Sanguessugas denuncia 72 parlamentares; veja lista
  • CPI dos Sanguessugas absolve 18 parlamentares

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia o que já foi publicado sobre a CPI dos Correios
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página